Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Após Fonte Nova, cervejaria fecha com Arena Pernambuco

Itaipava também negocia contrato de naming rights com arena do Corinthians

Por Da Redação 20 Maio 2013, 11h52

Menos de dois meses depois de ter adquirido os direitos pelo nome da Arena Fonte Nova, o Grupo Petrópolis anunciou na manhã desta segunda-feira uma parceria pelos naming rights também da Arena Pernambuco, outra sede nordestina da Copa das Confederações e do Mundial. A cervejaria pagará 100 milhões de reais pelo período de contrato, de dez anos de duração. A partir de agora, o estádio passa a ser chamado de Itaipava Arena Pernambuco, com a garantia também de exclusividade para a empresa nos bares dentro da arena para a venda de energéticos e cervejas sem álcool. Além dos estádios de Salvador e Recife, a Itaipava também negocia para colocar seu nome em outra arena do Mundial, o Itaquerão, do Corinthians, em São Paulo.

“É um passo importante dentro de nossa estratégia de expansão para o Nordeste, parte da construção de nossa marca neste mercado”, disse, afirmou Douglas Costa, diretor da companhia. Como não é patrocinador da Copa das Confederações e da Copa do Mundo, o investidor não terá seu nome exposto nos dois eventos e nem sequer poderá comercializar seus produtos nas duas competições. A cerimônia de oficialização da compra dos naming rights, realizada em um hotel do Recife, deu início nesta segunda a uma série de eventos na Arena Pernambuco. À tarde, a presidente Dilma Rousseff dá o pontapé inicial de um jogo festivo entre os operários que construíram o estádio. O primeiro jogo entre profissionais será o amistoso entre Náutico e Sporting, de Portugal.

Leia no Radar on-line, por Lauro Jardim:

A Itaipava e a Etihad, companhia aérea dos Emirados Árabes, estão negociando com o Corinthians o direito de batizar o Itaquerão – embora seja difícil imaginar alguém chamando o Itaquerão de Etihad Arena, por exemplo. Mas pode haver surpresas: a seguradora Zurich também, sondou o clube. O Corinthians tem pressa. Andrés Sanchez, que comanda as negociações garante que em 60 dias assina o contrato.

(Com agência Gazeta Press)

Continua após a publicidade

Publicidade