Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Após confusão, Kleber não viaja para enfrentar o Flamengo

Em depoimento, João Vitor disse que agressão após um torcedor chutar seu carro

Por Da Redação 12 out 2011, 10h42

Descontente com a posição da diretoria do Palmeiras diante da agressão ao jogador João Vitor, na noite da última terça-feira, Kleber não embarcou com o restante da delegação rumo ao Rio de Janeiro nesta quarta-feira, palco do jogo contra o Flamengo, pela 29ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Durante o embarque do grupo, jogadores e membros da diretoria não se pronunciaram. Tudo indica que a ausência do atacante no embarque para o Rio de Janeiro está ligada diretamente ao incidente envolvendo João Vitor. Ao saber da agressão, Kleber se revoltou com a posição da diretoria no caso e contou com o apoio de outros atletas do elenco. Discutindo com Felipão e dirigentes, o atacante ameaçou não se apresentar ao lado de seus companheiros. A ameaça do jogador irritou ainda mais o técnico do Palmeiras. Diante do motim, Felipão deixou claro que não viajaria para o Rio de Janeiro caso Kleber estivesse na delegação. O embarque para a capital carioca estava marcado para a noite desta terça-feira, mas após a confusão, os jogadores foram dispensados. Depoimento – A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo divulgou o boletim de ocorrência registrado após a agressão ao volante João Vitor. Segundo as informações contidas nos depoimentos do jogador e de um torcedor detido, a briga generalizada teve início após o indivíduo ter chutado o carro do jogador. Em sua declaração, João Vitor afirma que ao sair da loja, foi abordado por um torcedor que o ofendeu e cobrou um melhor desempenho da equipe nesta temporada. O indivíduo ainda chutou seu carro, motivando seu cunhado e seu amigo a descerem do veículo para encerrar a discussão. Neste momento, o torcedor tentou agredir o jogador e eles apenas se defenderam. Logo na sequência demais membros da torcida do Palmeiras se juntaram à confusão, segundo a versão do atleta palmeirense. Por outro lado, o torcedor afirmou que apenas cobrou mais garra de João Vitor, negando ter chutado o carro. Além disso, deixou claro que as agressões partiram dos amigos do volante. (Com agência Gazeta Press)

Publicidade