Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Apoiado pela diretoria, Adilson deseja paz no ‘namoro’ com torcida

Por Da Redação 12 out 2011, 20h50

Mais uma vez, Adilson Batista foi eleito pela torcida o principal vilão de um mau resultado. Os são-paulinos vaiaram o nome do técnico mesmo antes do empate com o Inter e aumentaram os coros de ‘burro’ no segundo tempo, esboçando ainda mais a revolta entoando palavrões ao deixarem a Arena Barueri. Cenas que o técnico tem o apoio de Juvenal Juvêncio para pôr fim logo.

‘Daqui a pouco, o time ganha e com paciência dá para conquistá-los nesse namoro. Tenho me dedicado, me esforçado e feito o melhor para conquistar o torcedor’, argumentou o treinador, que não gosta de admitir, mas até o presidente do clube sabe que seus maus resultados nos três últimos clubes (Corinthians, Santos e Atlético-PR) o prejudicam.

‘O Adilson tem uma imagem que não é boa com a torcida porque, quando chegou ao São Paulo, a mídia registrou uma estatística correta de que saiu do Corinthians, do Santos, não sei de onde. O grande público absorveu o fato, mas essa imagem ficou. Como o time não correspondeu, ficou imagem nebulosa que espero que melhore’, disse Juvenal Juvêncio.

Nesta quarta-feira, um dos principais focos da indignação da torcida foi a troca de Dagoberto por Marlos. O técnico explicou que o artilheiro do time na temporada pediu para sair porque sentia dores, mas que compreende a reação de quem estava nas arquibancadas. Quem não gosta das críticas ao comandante é Juvenal, que culpa os jogadores.

‘Não estou satisfeito é com o rendimento que a equipe proporcionou até agora. Em um exame sereno e isento, se vê que o São Paulo é altamente competitivo e não mostrou isso. Não vou enumerar razões para não parecer desculpa, mas os resultados não têm sido alvissareiros. Não estão produzindo o que poderiam. Oxalá a partir de agora possam melhorar’, comentou o dirigente, enaltecendo Adilson.

‘Estou satisfeito com o Adilson. Ele é um cara sério. Seriedade em técnico de futebol não era uma vitória, mas hoje é. E o Adilson é trabalhador, gosta do que faz, participa, vibra, é importante’, elogiou. Um apoio que o treinador agradece imensamente.

‘Eu já esperava por essas cobranças pela grandeza do clube. Estou super contente no São Paulo, aproveitando a cada dia o trabalho, o ambiente, a dedicação dos profissionais. Tenho o apoio da diretoria, conversamos todos os dias e eles me passam tranquilidade. Estou bem consciente da realidade e entendo o torcedor’, relatou.

Continua após a publicidade

Publicidade