Clique e assine com até 92% de desconto

Ano de 2011 marca ascensão de Djokovic e Kvitova

Por Da Redação 22 dez 2011, 17h16

Madri, 22 dez (EFE).- O sérvio Novak Djokovic e a tcheca Petra Kvitova foram os grandes destaques do tênis mundial em uma temporada que marcou a mudança na liderança no ranking da ATP e a volta ao circuito do argentino Juan Martín del Potro, campeão do US Open de 2009 e que se recuperou de uma grave lesão no punho direito.

Em julho, o espanhol Rafael Nadal perdeu o posto de número um do mundo, depois de estar 102 semanas no topo, para Djokovic, melhor tenista da temporada.

O sérvio terminou 2011 com dez títulos, três deles de Grand Slam: Aberto da Austrália, Wimbledon e US Open. No entanto, Djokovic terá em 2012 uma temporada mais que complicada. A defesa dos pontos obtidos o obrigará a provar que é um autêntico número um, como foram seus antecessores, Federer e Nadal.

Se ‘Djoko’ dominou o circuito masculino, a tcheca Petra Kvitova foi a sensação no feminino. A jogadora terminou o ano apenas 115 pontos atrás da dinamarquesa Caroline Wozniacki, número um do mundo, e faturou seis títulos, entre eles Wimbledon e o Masters da WTA, em Istambul. Mas, ao contrário de ‘Nole’, que caiu nas semifinais da Copa Davis, conquistou a Fed Cup pela República Tcheca, que bateu a Rússia na final.

Os outros três Grand Slams ficaram com a belga Kim Clijsters (no Aberto da Austrália), a chinesa Na Li (Roland Garros) e a australiana Samantha Stosur (US Open).

O grande retorno do ano foi de Del Potro. Praticamente inativo devido a uma lesão que o obrigou a passar por cirurgia, em 2010, o argentino ganhou dois títulos em 2011 (Delray Beach e Estoril), chegou à final em Viena e protagonizou dois jogos épicos contra David Ferrer e Rafael Nadal na final da Copa Davis, contra Espanha, em Sevilha, em que a equipe espanhola sagrou-se campeã do torneio pela quinta vez.

O brasileiro Thomaz Bellucci, por sua vez, teve um ano de altos e baixos. O tenista número um do país também protagonizou uma partida épica na Davis e quase ajudou a equipe nacional a retornar à elite após nove anos, mas, depois de quase cinco horas, perdeu por 3 sets a 2 para o russo Mikhail Youzhny, em Kazan, pela repescagem de acesso ao Grupo Mundial.

O grande momento de Bellucci nas competições individuais foi no Masters 1000 de Madri, em que bateu dois tenistas do top 10, o tcheco Tomas Berdych e o britânico Andy Murray. Nas semifinais, o brasileiro chegou a vencer um set contra Djokovic, até então invicto no ano, mas acabou sendo eliminado. EFE

Continua após a publicidade
Publicidade