Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Zizao português assegura que Corinthians já é famoso na China

O Corinthians já ganhou notoriedade na China, como quer obsessivamente o vice-presidente Luis Paulo Rosenberg e o seu departamento de marketing com a contratação do meia-atacante Chen Zizao (ou ‘Zhizao’, grafia original do seu nome). Quem garante é um compatriota do reforço corintiano: Zhang Chengdon, artilheiro do Beira-Mar no Campeonato Português, com seis gols marcados.

Zizao fascina mentor de contratação

Chinês passará por cirurgia no ombro

‘Há muitos torcedores chineses que sabem que o Corinthians é um grande clube do Brasil e um pouco mais’, avisou Zhang, antes de exibir os seus próprios conhecimentos sobre o time de Zizao nesta conversa exlusiva com a Gazeta Esportiva.Net. ‘Conheço o Liedson, que jogou em Portugal, no Sporting. Antes de chegar aqui, já tinha conhecido outros jogadores brasileiros que jogavam na China e falavam muito do Corinthians. Sei também que foram campeões do Brasil na temporada passada.’

Zhang tem 23 anos, um a menos do que Zizao, e trilhou um caminho semelhante ao do seu compatriota na tentativa de fazer sucesso no futebol. Ao contrário do corintiano, que não conseguiu se destacar nos seis meses de testes no Trofense, o atacante chinês do Beira-Mar agradou ao público português ao ser contratado pelo Mafra, em 2009. Passou também por União de Leiria antes de ser emprestado para o seu time atual, da cidade de Aveiro, e garantir convocações para defender a seleção da China.Assim como Zizao no Corinthians, Zhang serve também como garoto-propaganda do Beira-Mar para a China. ‘Há muitos torcedores chineses do Beira-Mar por minha causa. Chegam dezenas de cartas para mim todas as semanas, e sei que existem vários visitantes chineses no site do clube. Na China, ainda há bastante interesse por esportes como o pingue-pongue e o basquete, mas acho que o mais famoso agora já é o futebol. O governo está apoiando o campeonato local, que melhorou, com atletas conhecidos como Conca e Anelka’, argumentou.

Para o Corinthians ser ainda mais popular no ascendente futebol da China, contudo, Zizao precisará jogar – o que ainda não ocorreu. O meia-atacante sofreu recentemente nova luxação no ombro esquerdo, precisará passar por cirurgia e só deverá estar recuperado em agosto. ‘Se ele tiver sucesso no time e os jogos passarem na televisão chinesa, essa estratégia de marketing poderá dar certo. Os torcedores começarão a apoiar o Corinthians, e há muitas formas de ganhar dinheiro com isso’, motivou Zhang. ‘Mas não há transmissão dos jogos brasileiros por enquanto. Mesmo assim, as pessoas sabem que o Corinthians é um grande clube’, repetiu.

Divulgação

CHINÊS CANTA ‘SOU FODA’

As dificuldades com o idioma não impediram o chinês Zhang Chengdon de aprender a cantar músicas em português durante a passagem pelo Beira-Mar. Influenciado pelos brasileiros que defendem o seu time, o asiático já conhece até algumas letras mais maliciosas.

Entre as músicas preferidas de Zhang, está ‘Sou foda’. O hit foi lançado na internet e popularizou o grupo carioca de funk Avassaladores (‘foto’). Já assistido quase 15 milhões de vezes no You Tube, seu clipe mostra o cantor Victor Hugo Vieira de Souza, mais conhecido como Vitinho Sou Foda ou como Vitinho Avassalador, mordendo os lábios e levantando a camiseta enquanto dança com seus companheiros.

Mas não são só versos como ‘na cama eu te esculacho’ que embalam a vida de Zhang em Portugal. O chinês é eclético. Também se rendeu ao sucesso mundial ‘Ai, se eu te pego’, de Michel Teló, ao romantismo de Adriana Calcanhoto em ‘Fico assim sem você’ e ao sertanejo Luan Santana em ‘Amar não é pecado’.

Os responsáveis pela aproximação de Zhang da cultura brasileira foram o goleiro Paes (ex-Avaí), o lateral direito Edson (ex-Corinthians), o meio-campista Nildo (ex-Petrolina e Salgueiro) e os atacantes Cássio (ex-Juventude) e Dudu (revelado pelo Flamengo). ‘Dou-me muito bem com eles no Beira-Mar. São meus amigos. Nildo Paes, Dudu… São brincalhões e boas pessoas, que me ensinam as músicas do Brasil’, disse o chinês.

Para Zhang, o compatriota Zizao precisa seguir o seu exemplo se quiser cantar e encantar no Corinthians. ‘Ele deve perceber melhor a cultura do País, pois é muito diferente. Enquanto os chineses são fechados em relação aos sentimentos, os brasileiros se abrem’, comparou.

Zhang ainda expressa as suas opiniões sobre futebol em um português arrastado. Quando recusou uma proposta de renovação de contrato por cinco anos com o Liaoning Hongyun e ignorou convites de clubes de Austrália, Bélgica e Estados Unidos para ir a Portugal, ele já sabia que o idioma seria um empecilho para a sua adaptação. ‘Mas preferi o Campeonato Português por ser mais forte e famoso’, disse. ‘Mesmo assim, a cultura e a língua são muito diferentes. Não conseguia me comunicar com os colegas na minha chegada. Não entendia o que o treinador queria durante o jogo. Era complicado’, recordou.

Candidato a ídolo no Beira-Mar, Zhang já não se importa mais com as dificuldades de estar distante da China. O atacante que aprendeu a gostar de futebol aos 6 anos (depois de assistir a um amistoso entre o Shandong, terra de seu pai, e a Lazio, da Itália) e virou fã do sueco Zlatan Ibrahimovic e do argentino Pablo Aimar começou a se sentir à vontade como cidadão lusitano. ‘Aveiro é uma cidade muito bonita, a Veneza de Portugal’, definiu o jogador, fanático pelas comidas típicas. Gosta de comer leitão e francesinha – uma iguaria constituída de liguiça, salsicha, presunto, outras carnes frias, bife bovino ou lombo de porco assado e fatiado, com cobertura de queijo e molho à base de tomate, cerveja e pimenta.

Em português ou em chinês, portanto, Zhang é um dos atletas mais indicados para aconselhar Zizao a se ambientar fora da Ásia. ‘Não o conheço pessoalmente. Sei quem é, pois ficou famoso na China e temos alguns amigos em comum, que jogaram com ele. Eu diria para o Zizao, primeiro, para estudar a língua portuguesa’, afimou o atacante, aluno de um curso de português para estrangeiros da Universidade de Aveiro. ‘No meu caso, tive a felicidade de falar um pouco de inglês e de ter sido companheiro de um chinês que já jogava em Portugal . As palavras indispensáveis são as do futebol, os termos necessários para que se entenda o que o treinador quer.’

Dentro de campo, Zizao também precisará aprender. Assim como ocorreu com Zhang. ‘O futebol português é mais difícil. Há pouco espaço para pensar e para executar as jogadas. É também mais rápido nas transições. Taticamente, é muito mais forte do que o chinês. Para conseguir ser competitivo em outros países, o jogador chinês tem de se adaptar à velocidade imprimida no jogo. Na nossa terra, o futebol é bem lento. Também devemos evoluir taticamente, conhecer cada uma das posições do campo. Os chineses possuem boa técnica, mas não estão habituados à pressão e a ter de fazer as coisas depressa’, analisou.

Zhang superou as barreiras táticas. Os vídeos de seus gols pelo Beira-Mar fazem sucesso entre torcedores na internet. ‘Esse chinês começa a ser um caso sério’, comentou um deles. ‘Aquela matada de bola não é para qualquer um. Muito interessante esse chinês’, acrescentou um segundo. ‘Antes de o Futre falar dos chineses, esse já marcava três gols contra o Sporting, no Alvalade, pela Taça de Portugal’, concluiu um terceiro. Ele se referia ao ex-jogador Paulo Futre, que virou motivo de piada em Portugal ao defender sucessivas contratações de chineses durante a candidatura de Dias Ferreira à presidência do Sporting, em 2011.

Zhang tem dado razões para Paulo Futre, Luis Paulo Rosenberg e a quem mais insistir em ganhar dinheiro através de investimentos em atletas chineses. Após ajudar o Beira-Mar a se distanciar da zona de rebaixamento do Campeonato Português, ele serviu de inspiração para o seu clube quase contratar outro jogador vindo da China. O zagueiro Li Haozhen, do Nanchang Hengyuan, passou por um período de testes em Aveiro no início do ano. ‘O campeão brasileiro, Corinthians, reforçou-se recentemente com outro jogador do Nanchang, Chen Zhizhao, considerado igualmente uma promessa do futebol chinês’, comparou o próprio site do time lusitano.

Caso consiga se manter em alta, Zhang Chengdong cogita aparecer também em clubes de maior expressão. ‘Ainda não sei. Só estou pensando agora em terminar bem o campeonato, depois de ajudar a minha equipe a garantir a permanência na Primeira Divisão. Mais tarde, posso continuar ou sair. Gosto muito daqui, mas nunca se sabe o que pode acontecer. Isso depende de uma proposta que seja boa para todos’, condicionou o ‘Zizao português’, sem descartar nem sequer uma parceria com o seu compatriota corintiano. ‘Gosto dos campeonatos de Inglaterra, Alemanha e Espanha. Nunca fui para o Brasil. Tenho vontade de conhecer, e também é uma possibilidade jogar aí. O futebol brasileiro está cada vez mais forte, com estrelas.’

ZHANG É TRUNFO PARA BEIRA-MAR ENCHER ESTÁDIO

Zhang Chengdon não foi responsável apenas por estreitar o vínculo de chineses com o Beira-Mar. O atacante chinês é usado pelo clube para cativar também os torcedores portugueses.

O vídeo acima, por exemplo, foi divulgado pelo Beira-Mar para atrair público ao Estádio Municipal de Aveiro, que tem capacidade para receber pouco mais de 30.000 pessoas e nem sempre fica cheio. Zhang, então, encarregou-se de convocar a torcida em chinês e em português.

Os torcedores que vão apoiar o Beira-Mar ainda criaram um coro para incentivar especialmente o atleta asiático. Como fazem os franceses, eles costumam gritar: ‘Allez, Zhang, allez!’.