Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Adriano visita hospital para ver garota baleada e presta depoimento

Por Da Redação
24 dez 2011, 17h19

No meio da tarde deste sábado, Adriano apareceu no Hospital Barra D’Or, no Rio de Janeiro, para visitar Adriene Cyrilo Pinto, baleada na mão esquerda enquanto estava no carro do atacante durante a madrugada. O jogador ainda prestou depoimento ao delegado Carlos César Santos, da 16DP, na Barra da Tijuca, e saiu do local sem dar entrevistas.

O delegado também interrogou Adriene, que está internada sob efeito de antibióticos, já realizou uma limpeza cirúrgica no local e passará por uma operação de reconstrução na terça-feira – foi diagnosticada uma fratura exposta do dedo indicador da mão esquerda da jovem de 20 anos. Carlos César não se manifestou após ouvir a vítima e Adriano.

As outras quatro pessoas que estavam na BMW do atleta do Timão já foram ouvidas, mas com depoimentos contraditórios. O único consenso é de que o tiro foi acidental. Entretanto, ainda existem dúvidas em relação a quem efetuou o tiro logo depois da saída de uma casa noturna no Rio de Janeiro.

Há versões de que Adriano atirou acidentalmente em Adriane e outras em que o atacante sequer tocou na arma. Júlio César Barros de Oliveira, segurança do jogador e tenente reformado da PM, diz que a pistola era sua e isenta o cliente.

Continua após a publicidade

Em seu depoimento, o chefe de segurança do camisa 10 do Corinthians afirmou que deixou a arma embaixo do banco do motorista antes de entrar na boate e esqueceu de tirá-la de lá quando deixou o local. Enquanto o veículo se movimentava, a arma teria escorregado e, de acordo com Júlio César, chegou às mãos de Adriene. Mas ele não sabe quem a disparou.

Em busca de melhores conclusões, a Polícia Militar, através do Instituto Médico Legal (IML), ainda fará um exame de balística na vítima e em Adriano para checar se há pólvora nas mãos de ambos. A BMW do jogador já está no 16DP e passou por perícia. O veículo tem uma marca de bala – o projétil foi retirado para ser analisado – e marcas de sangue na lataria.

Se for provado que Adriano efetuou o disparo, ele pode ser indiciado por lesão corporal culposa, sem a intenção de ferir. O Corinthians já colocou seu departamento jurídico à disposição de seu atleta caso ele deseje ajuda.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.