Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Acusado de racismo, Terry deixa de ser capitão inglês

Por Da Redação 3 fev 2012, 09h52

Por AE

Londres – O zagueiro John Terry perdeu nesta sexta-feira a condição de capitão da seleção da Inglaterra, enquanto aguarda o julgamento de uma acusação de racismo. O jogador do Chelsea, porém, continuará sendo convocado para a equipe, que disputará a Eurocopa neste ano. A Associação de Futebol da Inglaterra [FA, na sigla em inglês] disse que Terry ficará sem a braçadeira “até que as acusações contra ele sejam resolvidas”.

“[A diretoria] coletivamente decidiu que é do interesse de todos as partes que John tenham as responsabilidades de capitão neste momento”, disse a FA. “Esta decisão foi tomada devido à natureza de grande visibilidade do capitão da Inglaterra, dentro e fora do campo, e as exigências adicionais e requisitos esperados do capitão que conduz a equipe durante um torneio. O conselho da FA pode confirmar que ele não foi excluído da equipe”, concluiu, em nota oficial.

Técnico da seleção inglesa, Fabio Capello não foi consultado sobre a decisão. O treinador e a FA haviam dito anteriormente que Terry poderia continuar como capitão, porque ele era “inocente até que se prove a culpa” de ter proferido ofensas racistas ao zagueiro Anton Ferdinand, do Queens Park Rangers, durante uma partida do Campeonato Inglês, em outubro.

Capello e a FA, porém, esperavam que Terry seria julgado antes da Eurocopa. Um juiz, no entanto, atrasou o julgamento até 9 de julho, uma semana depois da final do torneio continental, depois do Chelsea dizer que seria difícil para os jogadores depor durante a disputa do Campeonato Inglês. “Esta decisão [de destituir Terry] não significa qualquer sugestão de culpa em relação à acusação feita contra John Terry”, disse a FA.

Terry perdeu a condição de capitão quase dois anos após ficar sem a braçadeira pela primeira vez, em 2010, antes da Copa do Mundo, quando foi acusado de ter um caso com a ex-namorada de Wayne Bridge, que era seu companheiro na seleção. O irmão de Anton Ferdinand, Rio, recebeu a braçadeira na época, mas Terry voltou a ser capitão em março de 2011, com Capello dizendo que o castigo de um ano era suficiente.

Porém, a posição de Terry foi colocada em dúvida menos de um ano depois, quando ele supostamente disse insultos raciais a Anton Ferdinand, na derrota do Chelsea por 1 a 0 para o Queens Park Rangers. A investigação da FA foi paralisada quando a polícia passou a apurar o caso.

Ao mesmo tempo, a FA tomou uma posição forte em novembro ao criticar o presidente da Fifa, Joseph Blatter, que minimizou o problema do racismo no futebol. A atual temporada inglesa está sendo marcada por acusações de racismo, com o atacante Luis Suárez tendo sido suspenso por oito jogos por conta de incidente com o lateral-esquerdo Patrice Evra, do Manchester United.

Continua após a publicidade
Publicidade