Clique e assine a partir de 8,90/mês

A impressionante média de pontos de Tifanny na Superliga feminina

Primeira transexual do vôlei nacional fez 70 pontos em três jogos pelo Bauru

Por Da redação - Atualizado em 29 dez 2017, 14h31 - Publicado em 28 dez 2017, 14h12

Tifanny Abreu, a primeira atleta transexual a disputar a Superliga feminina de vôlei, vem se destacando na competição. Em apenas três partidas pelo Bauru, a atleta de 33 anos fez 70 pontos, uma média de 23,3 por partida, a melhor da liga.

A atleta, que iniciou sua transição de gênero em 2012, foi evoluindo ao longo da competição: fez 15 pontos na estreia contra o São Caetano; 25 contra o Pinheiros e 30 diante do Fluminense. O Bauru é o oitavo colocado da Superliga feminina com 17 pontos. O líder é o Praia Clube, com 39.

Em recente entrevista a VEJA, a jogadora do Vôlei Bauru relembrou todo o processo de tratamento hormonal e cirurgia de adequação sexual na sua transição para atleta trans. Ela comentou ainda sobre as polêmicas que seu caso despertou nas redes sociais, assim que sua contratação foi anunciada.

Tiffany, de 1,92 m, recebeu autorização da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) para disputar a Superliga no início de dezembro, após quase dez meses de espera. Em março, ela havia conseguido a liberação da Federação Internacional de Voleibol (FIVB) para competir profissionalmente entre as mulheres.

A decisão usou como jurisprudência o Comitê Olímpico Internacional (COI), que, desde o início o ano passado, permite a participação de homens em competições femininas desde que tenha a testosterona controlada, sem a necessidade de mudança de sexo. A decisão causou controvérsia. A ex-jogadora Ana Paula Kenkel foi uma das principais críticas à inclusão de Tifanny na liga, dizendo que o  corpo da atleta “foi construído com testosterona durante toda a vida.”

Continua após a publicidade
Publicidade