Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Vocalista do Raça Negra desafina ao vincular abuso à roupa

"A gente tem que prestar atenção. Falar 'Minha filha, não achei legal essa roupa'", disse no 'Encontro', antes de ser rebatido por Fátima Bernardes

O Encontro com Fátima Bernardes desta quinta-feira teve um quê de programa datado. Além de receber um sósia de Lady Gaga, cantora que horas depois cancelaria sua vinda ao Rock in Rio, a atração discutiu o abuso sexual infantil e ouviu soar dissonante uma nota de Luiz, o vocalista do Raça Negra, que, depois de tanto debate sobre machismo e a culpabilização da vítima, relacionou a violência sexual com a roupa que é usada.

Durante o debate, que contava com a presença da especialista em educação sexual Caroline Arcari, Luiz falou que os pais devem prestar atenção na roupa que as filhas vestem a fim de evitar abusos. “A mulher sempre foi mais avançada do que o homem e hoje você vê uma menina de 12 anos que já quer se portar como uma mulher, mas ela é uma criança”, falou.

“A gente tem que prestar atenção também na roupa. Falar ‘Minha filha, não achei legal essa roupa. Você vai para a escola assim?’. De repente, pela maluquice dele (do abusador), ele acha que aquele comportamento daquela menina, de se vestir e se arrumar como a mãe…”, dizia Luiz, quando foi interrompido por Fátima Bernardes e pelos outros convidados, que disseram que a mulher pode usar a roupa que quiser e isso não justifica o abuso.

O cantor, porém, insistiu. “Mas você também tem que evitar que a filha vá para a escola com uma roupa não adequada. Isso não é voltar no tempo, eu acho que tem que prestar atenção também. É você falar assim: ‘Você vai para a escola com essa roupa?’. Eu tô falando da menina porque ela é, de uma forma meio chula, mais caçada, o menino é mais escondido. Mas eu acho que, ao perceber essa atitude do cara [abusador], a gente deveria dar uma surra nele”, completou.

Após a fala do cantor, a psicóloga Caroline Arcari rechaçou o pensamento machista: “Não, Luiz. Essa tua ideia, você tá falando da roupa, do batom, mas em que momento a gente está falando com os meninos? Olha, não importa a roupa da menina, você não pode avançar, você não pode assediar”.

Ela foi complementada por Fátima, que falou que, na Índia, mesmo com as vestimentas que cobrem todo o corpo, as mulheres ainda são estupradas e assediadas. A fala do artista gerou muitas críticas nas redes sociais.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Sergio Bertoni

    Ele esta corretíssimo, falta limites em todos os aspectos e a Globo ta se lixando para as famílias de bem.

    Curtir

  2. Jose vitorio Mussato

    Concordo com Luiz Carlos, estamos fazendo e antecipando nossas crianças a um estágio que ainda não são delas, precocemente adultas, rompendo todas as fases naturais, a mando de um grupo econômico e de ilusão para elas de que é assim mesmo, o preço já estamos pagando.

    Curtir

  3. Eliziane Holmann

    Concordo com ele ,e sendo mulher sei muito bem que a roupa manda muito, tem meninas , mulheres que mal se vestem pra sair. Saem quase nuas ,não Justifica um abuso ,claro que deve haver punição para isso , mais se a mulher está com uma roupa inadequada e tem a infelicidade de encontrar um mal caráter assim.vai facilitar muito a ação dele, é a mesma coisa que mostrar um pedaço de carne para um leão.#minha opinião

    Curtir