Clique e assine a partir de 9,90/mês

Secretária da Academia Sueca deixa cargo em meio a escândalos sexuais

Entidade responsável pelo Nobel de Literatura vive momento de divisão desde o fim de 2017, quando marido de acadêmica foi acusado de violentar 18 mulheres

Por Da redação - Atualizado em 12 Apr 2018, 22h20 - Publicado em 12 Apr 2018, 20h39

A secretária permanente da Academia Sueca (responsável pelo Nobel de Literatura), Sara Danius, deixou o cargo nesta quinta-feira. O anúncio aconteceu após uma reunião convocada para discutir os escândalos sexuais que atravessam a instituição e já levaram à renúncia de outros três membros.

Danius não quis revelar se sua saída foi decidida em votação, e afirmou que ainda não nomearam um sucessor. “Não posso entrar nisso, é confidencial. É a vontade da Academia e a aceito. Gostaria de continuar, mas há outras coisas para fazer na vida”, disse a secretária ao fim da reunião.

O encontro foi o primeiro desde a renúncia dos acadêmicos Klas Östergren, Kjell Espmark e Peter Englund, uma forma de protesto contra as denúncias de assédio e abuso sexual contra o dramaturgo Jean-Claude Arnault. O francês dirige um centro de exposições na capital sueca financiado pelo Nobel, e é casado com uma das integrantes da Academia, Katarina Frostenson.

Escândalo sexual

Enquanto centenas de casos de abuso sexual pipocavam em Hollywood, 18 mulheres acusaram Jean-Claude Arnault de assediá-las e estuprá-las nas dependências da Academia Sueca. Os casos supostamente aconteceram entre 1997 e 2017. Entre as vítimas, estão acadêmicas, mulheres de acadêmicos e até filhas de alguns deles.

Continua após a publicidade

Testemunhas oculares corroboraram os depoimentos das mulheres. Ao jornal Dagens Nyheter, que veiculou as denúncias, uma delas, violentada em um apartamento de Estocolmo, afirmou que “todo mundo sabe e sempre soube” dos casos.

A Academia chegou a cogitar a expulsão da esposa de Arnauld, Katarina Frostenson, suspeita de violar a política de concessões da Academia em prol do clube literário dirigido pelo marido. A proposta, no entanto, foi negada pela maioria dos acadêmicos, levando a renúncia dos outros três, que foram a público criticar os colegas por não zelar pela integridade da instituição.

A Promotoria da Suécia também abriu um inquérito contra Jean Claude Arnauld.

Com a saída de Saria Danius, apenas 12 das 18 cadeiras da Academia Sueca estão ocupadas. Uma vez nomeado, o cargo na instituição é vitalício.

Continua após a publicidade

(com Agência EFE e AFP)

Publicidade