Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Sabe qual a graça em ‘S.O.S. Mulheres ao Mar 2’? Então, nos diga

Com trama sem pé nem cabeça, comédia romântica com Giovanna Antonelli e Reynaldo Gianecchini tem dificuldade para proporcionar mais do que um par de segundos de riso

Há comédias que não fazem o espectador rir nem se ele tiver tomado duas garrafas de vinho antes de entrar na sessão. É o caso da sofrível S.O.S. Mulheres ao Mar 2, em cartaz desde esta quinta nos cinemas. Dirigida novamente por Cris D’Amato, a continuação do longa de 2014 – visto por 1,7 milhão de pessoas – tem dificuldade para proporcionar mais do que alguns breves segundos de riso. Mesmo a trama de Adriana (Giovanna Antonelli) e André (Reynaldo Gianecchini), que enquadraria o longa no gênero da comédia romântica, é insossa e incapaz de causar empatia em quem assiste.

LEIA TAMBÉM:

Filme nacional ‘SOS Mulheres ao Mar’ vai ganhar sequência

Comédia ‘S.O.S. Mulheres ao Mar’ deve ganhar 3º filme

‘S.O.S. Mulheres ao Mar 2’ vai dos EUA ao México em trailer

Os dez filmes nacionais de maior bilheteria em 2014

Adriana é namorada de André, que a salvou de cair no mar no primeiro filme, quando ela foi atrás do ex-marido, personagem de Marcelo Airoldi ausente aqui, a fim de reconquistá-lo em um cruzeiro. No novo longa, André, comprometido com Adriana, embarca sozinho para Miami (EUA), de onde partirá em – adivinhe – um cruzeiro-evento, no qual lançará uma coleção de moda. Na última hora, no entanto, ao vê-lo na fila do aeroporto ao lado de Anitta (Rhaisa Batista), top model que é ex-noiva do estilista e estrela da nova coleção, Adriana muda de ideia e decide acompanhá-lo. E mais uma vez convoca as suas fieis escudeiras: a irmã, Luiza (Fabiula Nascimento), e a ex-diarista Dialinda (Thalita Carauta), que trabalha para uma família americana justamente na cidade onde o navio está atracado.

A trupe, no entanto, chega atrasada ao porto e decide ir de carro até Cancún para alcançar a embarcação, que fará uma pausa na cidade mexicana. Em uma trama paralela, Dialinda é investigada pelo FBI por tráfico de drogas, coisa que ela não sabe. Ela, na verdade, desconhece que é usada como laranja pelos patrões. Já Luiza tenta ficar com Mauricio (Felipe Roque), modelo que também perdeu o embarque e pega carona com as três até Cancún.

Aqui acontecem duas coisas incríveis no filme. A primeira é que o trio não encontra um voo sequer em dois dias para Cancún, daí ser obrigado a partir de carro para o México. A outra é que, mesmo sob investigação do FBI, a polícia federal americana, Dialinda não tem problemas para cruzar de carro a fronteira dos Estados Unidos.

Mais uma: antes de chegar ao país latino, o grupo faz uma parada nos parques temáticos de Orlando, em um trecho com diálogos dignos do antigo Zorra Total, aquele de humor raso e apelativo, da Globo. Perguntada por Maurício se gostaria de uma marguerita, o drink, Dialinda responde que prefere “de calabresa”. E Luiza, em cenas que deveriam ser cômicas, repete a fórmula que usa para conquistar homens mais jovens. Ela, que trabalha no casting de novelas, os convida para “interpretar” um texto que termina com um beijo, mas sempre é interrompida por Adriana quando se aproxima de seu objetivo.

A sequência do desfile da grife de André, por sua vez, é um festival de bobagens. O evento começa com as modelos exibindo os looks e depois, em uma luta tão patética quanto clichê, Adriana ataca Anitta e as duas rolam para dentro da piscina. Então, os modelos aparecem estranhamente vestidos como um Jack Sparrow – o amalucado capitão de Johnny Depp em Piratas do Caribe – de sunga. Tudo isso enquanto a mestre de cerimônias do desfile narra didaticamente o que acontece para o espectador, aquele que assiste a tudo, definição que D’Amato parece ter esquecido.

Na parte final do filme, aparece enfim a única cena engraçada do longa. Jogada na entrada da cabine do namorado, Adriana recita uma canção que fez sobre eles dois, em ritmo e melodia de música de ninar, cuja letra brinca com a maneira como eles se chamam na intimidade. Talvez com três garrafas de vinho o filme fique minimamente divertido, mas, como cinemas não vendem bebidas alcoólicas, será de maior proveito consumi-las longe das salas que exibem S.O.S. Mulheres ao Mar 2.

‘Loucas para Casar’

O longa com Ingrid Guimarães, Tatá Werneck e Márcio Garcia estreou na primeira semana deste ano. A trama é sobre uma secretária (Ingrid), já nos seus 40 anos, que namora o chefe há três, com tranquilidade, até descobrir que ele tem duas amantes. Uma vez que uma toma conhecimento da outra, elas passam a disputar a preferência do bofe. O filme arrecadou 45,6 milhões de reais e já levou 3,7 milhões de pessoas aos cinemas. Até 13 de outubro, era o filme nacional mais assistido do ano.

‘Meu Passado me Condena 2’

A sequência do filme de 2013, baseado na série de televisão de mesmo nome, entrou em cartaz em julho de 2015. O casal vivido por Fábio Porchat e Miá Mello entra em crise e se vê obrigado a fazer uma viagem de emergência para Portugal, quando um familiar do personagem vivido por Fabio morre. A viagem, é claro, só complica ainda mais o relacionamento. A comédia foi assistida por 2,5 milhões pessoas até 13 de outubro, arrecadando 32,8 milhões de reais.

‘Carrossel: O Filme’

A versão cinematográfica da novela infantil do SBT já levou 2,5 milhões de pessoas aos cinemas desde seu lançamento, no dia 23 de julho. Até o dia 13 de outubro, o longa já havia arrecadado 27,1 milhões reais. A história resgata os personagens do folhetim e os coloca em uma missão para salvar um acampamento, no qual eles vão passar férias, dos planos maléficos de uma dupla de vilões atrapalhados, vividos por Paulo Miklos e Oscar Filho.

‘Vai que Cola’

A comédia baseada no seriado de mesmo nome exibido pelo canal pago Multishow vai bem por aqui, com público de 2,2 milhão de pessoas e renda de 29,9 milhões de reais até o dia 18 de outubro. O longa, dirigido por César Rodrigues, é estrelado por Paulo Gustavo, que interpreta o trambiqueiro Valdomiro Lacerda, antigo sócio de uma empresa de engenharia que realizava falcatruas e subornava políticos, até ter seu esquema desbaratado pela polícia. Ele consegue escapar e se esconder no Méier, bairro do subúrbio do Rio de Janeiro, onde, distante da cobertura em que vivia no Leblon e do dinheiro que a sustentava, encontra refúgio na pensão de Dona Jô (Catarina Abdalla). É aí que se passam a série e o começo do filme.

‘Os Caras de Pau em o Misterioso Roubo do Anel’

O longa, inspirado no humorístico Os Caras de Pau, da Rede Globo, coloca os seguranças Pedrão (Marcius Melhem) e Jorginho (Leandro Hassum) em uma delicada situação, quando são acusados de roubar um valioso anel de um museu, que eles deveriam proteger. A comédia estreou no dia 25 de dezembro e arrecadou 14,6 milhões de reais em 2015, levando 1,2 milhão de pessoas aos cinemas até o dia 13 de outubro.

‘Linda de Morrer’

O filme, que estreou no dia 20 de agosto, conta a história da cirurgiã plástica Paula (Glória Pires), que, após tentar inventar um método de eliminar completamente celulites de seu corpo e testá-lo em si mesma, acaba morrendo. Por meio de uma mãe-de-santo também desencarnada, Paula tenta impedir que seu sócio, Doutor Francis (Angelo Paes Leme) coloque o perigoso produto à venda. A comédia levou 944 703 pessoas aos cinemas até 13 de outubro, faturando 12,1 milhões de reais.

‘Qualquer Gato Vira-Lata 2’

Cléo Pires e Malvino Salvador estrelam a sequência de Qualquer Gato Vira-Lata viajando para Cancún, onde Conrado (Salvador) vai lançar seu livro. Durante a viagem, Tati (Cleo) o pede em casamento, com direito a transmissão ao vivo para os familiares e amigos no Brasil. A resposta, porém, não é a esperada: ele pede um tempo para pensar. É então que o ex da moça (Dudu Azevedo) vê a chance de recuperar seu coração. O filme estreou no dia 4 de junho e já levou 784 275 pessoas aos cinemas, com receita de 9,9 milhões de reais.

‘Que Horas Ela Volta?’

O premiado filme de Anna Muylaert gira em torno da empregada doméstica Val (Regian Casé) e da submissão dela diante dos patrões, algo questionado por sua filha, Jéssica (Camila Márdila). As duas dividiram o prêmio de melhor atriz no festival de Sundance e o longa desponta como favorito para representar o Brasil no Oscar 2016. Desde que estreou, em 27 de agosto, o filme levou 412 604 pessoas aos cinemas e arrecadou 5,9 milhões de reais.

‘Entre Abelhas’

Mais um de Fábio Porchat na lista. Em Entre Abelhas, o ator vive Bruno, um recém-divorciado que passa a não ver mais as pessoas. Quando percebe que os outros estão ficando invisíveis, ele busca ajuda junto à mãe (Irene Ravache) e seu melhor amigo, Davi (Marcos Vera). O longa chegou aos cinemas no dia 30 de abril e até 13 de outubro acumulou 436 577 de pagantes, além de renda de 5,7 milhões de reais.

‘Superpai’

Danton Mello vive um pai desastrado que acaba deixando o filho em uma creche para participar de um reencontro com sua turma do colégio. Porém, na hora de buscar a criança, ele pega outra por engano, um coreano. É então que, ao lado dos amigos, vividos por Antonio Tabet, Thogun Teixeira e Dani Calabresa, tem de se lançar em uma corrida para recuperar o filho antes que sua mulher (Monica Iozzi) descubra o que aconteceu. Até 13 de outubro, o filme, que estreou em 26 de fevereiro, havia arrecadado 5,1 milhões de reais, levando 432 642 pessoas às salas de cinema.

‘Divã a 2’

O filme, que estreou no dia 14 de maio, trata da história de uma médica, Eduarda, (Vanessa Giácomo), e de um produtor de eventos, Marcos (Rafael Infante), que vivem uma crise no casamento. O casal decide procurar ajuda psicológica e fazer uma terapia de casal, mas o plano dá errado e os dois decidem se separar. É aí que Eduarda conhece um homem (Marcelo Serrado) por quem se apaixona. O longa levou 159 038 pessoas aos cinema até 13 de outubro, e fez 1,9 milhões de reais no período.

?Operações Especiais?

O filme que conta com Cleo Pires vivendo uma investigadora da polícia que vai para a ação em uma operação na cidade fictícia de São Judas do Livramento, no Rio de Janeiro, levou 137 869 de pessoas ao cinema no seu final de semana de estreia, arrecadando  1,9 milhões de reais. 

‘O Sal da Terra’

O documentário mostra a carreira do conceituado fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado e o seu trabalho Gênesis, que busca retratar, através de fotografias de diversas regiões do mundo, aspectos geológicos e culturais do planeta. O filme, que entrou em cartaz em 14 de maio, arrecadou 1,8 milhão de reais até 13 de outubro, com público de 129 327 espectadores.

‘O Vendedor de Passados’

Lázaro Ramos e Alinne Moraes estrelam o longa baseado no livro de mesmo nome do angolano José Eduardo Agualusa. A trama se desenrola a partir de Vicente (Ramos), que cria documentos e provas de passados que não existem e os vende às pessoas. O filme chegou ao circuito no dia 21 de maio e até 7 de setembro havia levado 80 985 pessoas aos cinemas, obtendo 1 milhão de reais em bilheteria.