Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Rococó amazônico: os excessos da minissérie ‘Dois Irmãos’

As imagens são deslumbrantes, e as atuações, excelentes. Mas o preciosismo cênico da minissérie Dois Irmãos acaba tolhendo a força dramática da história

É inequívoco o elemento folhetinesco de Dois Irmãos: no centro do romance de Milton Hatoum publicado em 2000 está o ódio visceral que os gêmeos Omar e Yaqub, filhos de libaneses radicados em Manaus na primeira metade do século XX, nutrem um pelo outro. Era quase obrigatório que o livro ganhasse uma adaptação televisiva na casa maior do folhetim nacional, a Globo — e, claro, pelas mãos do mais “literário” diretor da emissora, Luiz Fernando Carvalho. Dois Irmãos, minissérie que chega ao décimo e último capítulo na sexta-feira 20, obteve respeitáveis 21 pontos de audiência na estreia. É um espetáculo suntuoso: um drama familiar encenado contra o fundo da paisagem amazônica, atravessando décadas de história brasileira em reconstituição de época preciosista, e com atuações, na média, excelentes. Mas os embates entre o devasso Omar e o reservado Yaqub (vividos, na idade adulta, por Cauã Reymond) tropeçam na carpintaria rococó do diretor.

Há um ritmo quase mecânico na alternância entre as cenas atmosféricas de cortinas esvoaçantes ou chuva tropical sobre a floresta e os momentos de gritaria e barraco na família dos gêmeos. O roteiro, embora às vezes confuso, tem bons achados. Uma cena que não existe como tal no livro sublinha a diferen­ça com que os gêmeos são tratados pela mãe, Zana (nesta fase, Juliana Paes): na adolescência, os dois são mandados para uma temporada no Líbano — mas só Yaqub parte no navio; Omar acaba retido no cais pela mãe, que sempre o cobriu de mimos. Infelizmente, a lentidão teatral da ação, rigidamente coreografada, fez naufragar o drama dessa cena. Dois Irmãos faria mais justiça ao livro que lhe deu origem se houvesse esmero não só na composição da imagem, mas também na composição dos personagens.

Compre a edição desta semana de VEJA no iOS, Android ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Ariel Sullivan

    A série é deslumbrante é bem dirigida, muitas oitavas acima da média que se vê na TV aberta e fechada no Brasil. Bastante fiel ao livro, mas com a marca inconfundível do diretor. E direção é, sobretudo, estilo.

    Curtir

  2. A série Dois irmãos, é interessante,tem um belo enredo, mas cansa o ritmo das cenas e a altura dos gritos. É irritante as 23 hrs assistir tanta gritaria. Saiu do tom.

    Curtir

  3. Marilda Ap. Vannucci Thizio

    Muito boa a minissérie, mas um pouco cansativa. Muitas brigas e gritaria demais, cenas muito repetitivas.

    Curtir

  4. César Augusto

    Luiz Fernando Carvalho é um gênio mas está se tornando teatral demais.

    Curtir

  5. Renê Vieira

    Quem escreveu esse texto era fã de Rui Barbosa, quem ele quer impressionar? Fala sério.

    Curtir