Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Reta final coloca Paul Verhoeven na corrida pela Palma de Ouro

Diretor holandês, que não lançava um longa no cinema fazia dez anos, mostrou 'Elle', com Isabelle Huppert. O iraniano 'Forushande' também tem chance de prêmios

Acontecimentos traumáticos desencadeiam a trama dos dois últimos filmes da competição do 69º Festival de Cannes, Forushande, ou “o vendedor”, na tradução livre do inglês, dirigido por Asghar Farhadi, e Elle, ou “ela”, do francês, de Paul Verhoeven.

Depois de rodar na França seu último longa-metragem, O Passado, exibido na competição do Festival de Cannes em 2013, o iraniano Asghar Farhadi volta a seu país natal com Forushande, ou “o vendedor”, na tradução livre do inglês. O diretor, que ganhou o Urso de Prata de direção em Berlim com Procurando Elly (2009) e o Urso de Ouro com A Separação (2011), faz uma mescla de realismo e teatralidade em seu novo trabalho.

O professor Emad (Shahab Hosseini) e sua mulher, a dona de casa Rana (Taraneh Alidoosti), acabaram de se mudar para um apartamento quando precisam evacuá-lo por perigo de desmoronamento. Um vizinho acaba lhes cedendo um outro lugar, habitado anteriormente por uma prostituta – ou, como ela é eufemisticamente chamada, uma “mulher de muitas companhias”. Ela deixou objetos por lá e constantemente é procurada por clientes. Um dia, o interfone toca e, achando ser o marido, Rana abre a porta, sendo atacada por um desconhecido. Na volta do hospital, está traumatizada. Emad tenta protegê-la e acalmá-la, mas logo essa disposição dá lugar a uma atitude autoritária. Ele procura quem fez aquilo com a mulher, mas sem muito afinco. Por acaso, acaba topando com o responsável, o que provoca uma espiral descendente que coloca em risco o casal.

Farhadi trabalha dentro no registro realista, expondo sem panfletarismo o machismo e o controle do governo no Irã. Ao mesmo tempo exagera as situações e atitudes dos personagens, o que aproxima seus filmes de uma peça de teatro. Não à toa, existe um paralelismo entre a “vida real” do filme e a peça A Morte de um Caixeiro-Viajante, de Arthur Miller, que Emad e Rana encenam. Como em seus filmes anteriores, o diretor infunde Forushande de suspense, tornando o “quem fez” o motor da investigação dos personagens e da sociedade. Mas a verdade é que Forushande é menos redondo do que A Separação. Ainda assim, o filme agradou, e não se pode descartar a possibilidade de levar algum prêmio.

O holandês Paul Verhoeven (de RoboCop e Instinto Selvagem, entre outros), que não fazia um longa-metragem para cinema desde 2006, apresentou seu novo trabalho, o primeiro rodado na França. Elle é ousado, o que o torna candidatíssimo a um dos principais prêmios na cerimônia de amanhã.

Baseado no romance Oh, de Philippe Djian, adaptado para o cinema por David Birke, tem como personagem principal Michèle (Isabelle Huppert), dona de uma empresa criadora de videogames. Um dia, ela é estuprada, em casa. Mas trata tudo como se não fosse nada demais, para surpresa de sua melhor amiga Anna (Anne Consigny) e do ex-marido Richard (Charles Berling). Michèle é dura e não parece ter sentimentos nem pelo filho, o bobalhão Vincent (Jonas Bloquet), nem pela mãe, Irène (Judith Magre).

A reação inesperada de Michèle frente ao ataque talvez tenha a ver com sua relação com a violência. Os videogames que sua empresa faz são cheios de sexo e sangue, e ela foi testemunha do crime do pai, que matou um monte de jovens quando a filha tinha apenas 10 anos de idade. Aos poucos, ela fica mais próxima do vizinho Patrick (Laurent Lafitte), casado com a religiosa Rebecca (Virginie Efira), estabelecendo um jogo perigoso.

Michèle é uma personagem rara no cinema, uma mulher não apenas forte, mas complexa, imprevisível, ambígua. Verhoeven não faz o dever de casa para o espectador, não explica nada nem psicologiza nada. As conclusões são do público. Elle é uma fábula amoral, e não admira que nenhuma atriz americana tenha aceitado fazer o papel. Sorte de Isabelle Huppert, que arrasa no papel e é a principal rival de Sonia Braga na corrida pelo prêmio de atuação feminina. Mas, com Verhoeven em tão boa forma, o filme, na verdade, está mais na disputa por um dos troféus principais.