Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Renata Vasconcellos e Rodrigo Bocardi também fizeram “extras” para banco

Notas mostram que âncora do Bom Dia São Paulo faturou 332 000 reais

O pedido de demissão do âncora Dony de Nuccio, que dividia a bancada do Jornal Hoje com Sandra Annenberg, deixou seus colegas em estado de alerta. O agora ex-apresentador, que era o nome mais cotado como substituto de William Bonner no Jornal Nacional, foi chamado pela direção da emissora ao ser revelado que tinha uma atividade profissional paralela:  Nuccio fazia vídeos de conteúdo interno para o Bradesco, em que falava frases como “nossos clientes”. Esse trabalho extra não havia sido informado e fere as normas internas do canal. Segundo o portal UOL, Nuccio recebeu mais de 7,2 milhões de reais em serviços realizados ao banco entre 2017 e 2019. A situação do jornalista ficou insustentável e, antes de ser “saído”, ele pediu demissão.

Dony de Nuccio, no entanto, não é o único apresentador da casa a estabelecer parceria comercial com o Bradesco. VEJA descobriu que Renata Vasconcellos, apresentadora do Jornal Nacional, e Rodrigo Bocardi, do Bom Dia São Paulo, também emprestaram seus rostos e credibilidades. Em um vídeo de divulgação interna do Bradesco, Renata aparece ao lado de um totem com a marca da instituição financeira e a seguinte frase: “120 razões para ser cliente”.

Renata Vasconcellos em vídeo para o Bradesco: emissora vai mudar regras sobre trabalhos extras de elenco jornalístico

Renata Vasconcellos em vídeo para o Bradesco: emissora vai mudar regras sobre trabalhos extras de elenco jornalístico (Reprodução/VEJA)

No caso de Bocardi, há pelo menos quatro notas fiscais referentes a serviços prestados por ele ao Bradesco, todas emitidas na mesma data: 11/9/2017 – uma no valor de 164.000 reais e outras três nos valores de 56.000 reais, cada. Total da remuneração: 332.000 reais. As notas estão em nome da empresa BOC Produções e Palestras, cuja sede fica em uma residência em um condomínio de luxo no bairro do Morumbi. A empresa, que recentemente mudou o nome para Diglog, foi aberta em 2015 e pertence a Bocardi. O âncora prestou serviços para evento da UniBrad, Universidade Corporativa do Bradesco, e fez conteúdo cujo título era “Relacionamento com o Cliente”.

Renata, em trabalho para o banco: gravação realizada há cerca de dez anos

Renata, em trabalho para o banco: gravação realizada há cerca de dez anos (Reprodução/VEJA)

Procurado por VEJA sobre o contrato com os dois apresentadores, o Bradesco se manifestou por meio de nota: “por uma questão de ética e respeito profissional, o banco não comentará contratos firmados com seus fornecedores”.

NOVAS REGRAS NA GLOBO
Depois do episódio da saída de Nuccio, jornalistas da Globo procuraram a direção da emissora para relatar sobre suas atividades paralelas, com receio de sofrerem punições. Muitos, aliás, obtiveram aval para fazer determinados trabalhos. A emissora nega clima de caça às bruxas, mas promete estudar e implementar um novo código de ética profissional. Dentro dos corredores do canal, a expectativa é de que a tolerância seja zero. Hoje, muitos jornalistas faturam com palestras e serviços de media training. A respeito dos casos agora revelados por VEJA, de Renata Vasconcellos e Rodrigo Bocardi, a Globo mandou a seguinte nota:

“Rodrigo Boccardi não tem e nem nunca teve uma empresa como a do jornalista Dony de Nuccio: não produz vídeos de nenhuma espécie, não faz projetos de comunicação, não faz vídeos publicitários, não capta clientes, não faz assessoria de imprensa. Sua PJ é o meio usado para que seja remunerado por palestras, mediação de debates ou apresentação de eventos, sempre fechados, sem transmissão ao público.
A nota fiscal encaminhada se refere a uma série de 9 palestras, realizadas há dois anos, para funcionários, sob o título “O diferencial sou eu’, sobre a sua trajetória e carreira, em evento fechado e sem transmissão.

“Renata Vasconcellos não lembra precisamente de quando foi a participação no vídeo interno ao qual às fotos se referem, mas estima que deve ter ocorrido há oito anos ou dez anos. O vídeo não foi obviamente produzido por ela: ela apenas foi contratada como apresentadora para um trabalho voltado a funcionários.

Importante destacar o comunicado que a Globo divulgou hoje e que se refere ao assunto: A direção de Jornalismo da Globo informa que foi procurada por alguns de seus jornalistas que relataram que foram contratados por terceiros para participação em eventos institucionais gravados em vídeo, mas sempre com proibição expressa de que as imagens fossem veiculadas ao público externo ou a clientes. Em alguns casos, a participação se deu com autorização da Globo por não ferir as políticas atuais da empresa. Em outros casos, a participação foi inadequada, mas sem má-fé. Todos informaram que não possuem empresas prestadoras de serviços de marketing, assessoria de imprensa ou de projetos de comunicação empresarial. A Globo, ciente agora de que persistem em alguns dúvidas sobre como agir diante de convites, informou que em breve um comunicado reiterará o que é proibido e o que não é, em detalhes, levando em conta a era digital em que vivemos.”