Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Queria falar da perda’, diz Bruno Barreto de ‘Flores Raras’

Diretor se interessou pelo projeto de filmar a relação de amor entre a arquiteta brasileira Lota de Macedo Soares (Glória Pires) e a poeta americana Elizabeth Bishop (Miranda Otto) depois de se divorciar da mulher, a atriz Amy Irving

“Queria emocionar de uma maneira não manipuladora. Foi o filme em que tive mais dificuldade de encontrar o tom, embora seja o meu 19º. Isso é que é interessante, a gente sempre está aprendendo”

Bruno Barreto não lançava um longa-metragem no cinema desde 2008, quando estreou Última Parada 174. Você Nunca Disse Eu te Amo, que se chamava Flores Raras antes do 63º Festival de Berlim e volta agora a usar o primeiro nome, conta a história de amor entre a poeta americana Elizabeth Bishop (Miranda Otto) e a arquiteta brasileira Lota de Macedo Soares (Glória Pires). O filme foi bem recebido na sessão oficial na mostra Panorama, circuito não competitivo da Berlinale, o que deixou Barreto animado. O diretor estava empolgado quando falou ao site de VEJA, na última segunda-feira:

O que a exibição no Festival de Berlim representa para a carreira do filme? É a melhor coisa que poderia acontecer, porque o longa foi feito para o mundo. É legal o filme ficar pronto e você exibir em outro país. A sessão de gala foi muito legal. Nunca na minha carreira tive um momento tão… Eu não contei, mas, brincando, foram oito minutos de aplausos. Tive de falar “obrigado” umas quatro vezes para eles pararem. Aí, pude agradecer e pedir desculpas pelas logomarcas do início do filme (dos produtores e patrocinadores, que fizeram o público rir). Disse: “Desculpe, mas sem eles nós não estaríamos aqui”. Foi uma complicação para conseguir patrocínio, porque a gente acha que o Brasil é liberal e não é. O Brasil é conservador.

LEIA TAMBÉM:

LEIA TAMBÉM: Delicado, filme de Bruno Barreto é bem recebido em Berlim

LEIA TAMBÉM – River Phoenix revive no Festival de Berlim em ‘Dark Blood’

Esse projeto começou anos atrás, quando a sua mãe, Lucy, comprou os direitos do livro Flores Raras e Banalíssimas, de Carmem Lúcia de Oliveira. Mas como você se interessou pela história? Minha mãe comprou os direitos em meados da década de 1990 e propôs o filme a mim e ao Hector Babenco. Mas nenhum dos dois se interessou na época, eu nem li o livro. Em 2004, minha ex-mulher (a atriz Amy Irving), fez Um Porto para Elizabeth Bishop, monólogo da Marta Góes, nos Estados Unidos. Comecei a achar interessante, fiquei ruminando aquela ideia. Não sabia ainda para que contar a história. Em 2008, depois de Última Parada 174 e de ter me divorciado da Amy – nada acontece por acaso -, vi que queria contar a história porque falava da perda. Não é uma biografia. Lota e Elizabeth são personagens dessa história de amor. Uma história em que a forte fica fraca porque não sabe lidar com a perda, e a fraca, perdedora, vai ficando forte porque lida melhor com isso. Grandes momentos de suas vidas ocorrem quando elas estão juntas. Elizabeth ganha o Pulitzer, desabrocha como escritora, porque teve estabilidade emocional e material. Não é por causa do Brasil. E a Lota tem a ideia do parque do Flamengo (talvez a sua maior obra).

Você chegou a pensar em fazer com a Amy? Inicialmente, sim. Não depois que achei o ângulo da história, mas quando a gente ainda estava casado, e eu comecei a me interessar pelo projeto.

GALERIA: Estrelas do cinema abrem o Festival de Berlim

E como foi escolher o elenco? A Glória já estava selecionada para fazer. Eu podia mudar a atriz, mas acho que não tinha ninguém melhor que ela. Além de tudo, eu nunca havia trabalhado com a Glória. A única vez em que escrevi uma carta como fã foi para ela, quando fez A Partilha. Ela fez tão bem aquela cena em que aparecia bêbada… Ela ainda falava bem inglês e tal. E, depois que ela fez os dois Se Eu Fosse Você, eu falava brincando que o laboratório para a o filme estava feito.

Como foi a procura pela atriz que faria a Elizabeth Bishop? Por questões de mercado, em princípio era uma coprodução internacional, quiseram que buscássemos nomes maiores. E apareceram duas ou três atrizes desse porte interessadas em fazer o filme, mas aí aconteceu um problema de agenda. O dinheiro saiu em fevereiro de 2012 e eu tinha de rodar tudo até o começo de agosto, quando a Glória ia começar a fazer a novela Guerra dos Sexos. Com os dois meses de preparação necessários, só restava filmar em maio e junho ou junho e julho. Para a atriz que faria a Elizabeth, o fato de ser uma personagem gay não era a dificuldade. O complicado era vir ao Brasil com armas e bagagens. O homem viaja e não precisa levar a família toda, a mulher quando viaja precisa levar todo mundo. Então, esse era o problema. E eu não podia achar outra Lota. Assim acabei ficando com a Miranda para o papel da Bishop.

LEIA TAMBÉM:

LEIA TAMBÉM: No Festival de Berlim, produção indie aposta no sexo

LEIA TAMBÉM:

LEIA TAMBÉM: Filme proibido do iraniano Jafar Panahi, ‘Pardé’ fala de liberdade e arte