Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Quadro ‘Estrela Azul’ é vendido a preço recorde entre obras de Joan Miró

A tela foi vendida pelo valor equivalente a 76 milhões de reais em Londres

Por Da Redação - 19 jun 2012, 18h56

O quadro pintado a óleo Estrela Azul (Étoile Bleue) do pintor espanhol Joan Miró foi vendido nesta terça-feira na casa de leilões Sotheby’s, em Londres, por 23,56 milhões de libras (76,11 milhões de reais), preço recorde para uma obra de Miró. A obra Estrela Azul (1927) fazia parte de um amplo leilão de arte impressionista e abstrata, no qual também foram vendidos trabalhos de Picasso, Kandinsky, Bonnard, Monet, Giacometti e Chirico.

O quadro, que foi descrito pelo próprio Miró (1893-1983) como um ponto de inflexão em sua trajetória artística, possui símbolos e elementos surrealistas que o pintor repetiria em suas obras posteriores. A cor azul do óleo influiu não só nos trabalhos posteriores do artista, mas nas obras de outros pintores como o letão Mark Rothko (1903-1970) e o francês Yves Klein (1928-1962). Estrela Azul já tinha batido o recorde de cotação para uma obra de Miró em 2007, quando foi arrematado em 11,6 milhões de euros (30,1 milhões de reais) em Paris. O lance, no entanto, foi superado em fevereiro deste mesmo ano pelo quadro Poema Pintado, de 1925, vendido por 16,8 milhões de libras (54,2 milhões de reais).

O novo leilão de uma das obras mais representativas do pintor catalão aconteceu quando o trabalho ainda está exposto em Washington, na maior retrospectiva dedicada ao seu trabalho nos últimos 50 anos.

A exposição sobre o pintor surrealista, intitulada A Escada da Evasão, reúne 150 obras e inicialmente foi exibida na Tate Modern de Londres, em 2011, para depois viajar à Fundação Joan Miró de Barcelona e mais tarde aos Estados Unidos.

Publicidade

A exibição faz um percurso das pinturas do artista, desde as primeiras com certo realismo e marcadas pela identificação com a paisagem, até os grandes quadros abstratos da sua última fase.

O quadro vendido nesta terça “é um dos mais importantes de Miró, porque representa a transição entre a arte figurativa e a abstrata”, afirmou Helena Newman, responsável pelo departamento de Arte Impressionista e Moderno da Sotheby’s em Londres.

A especialista ressaltou que os trabalhos do pintor no período de Estrela Azul são “modernos, atemporais e refletem um rico universo”, qualidades que, em sua opinião, transformam suas pinturas no tipo de obras que os colecionadores internacionais de hoje em dia estão procurando.

A obra de Miró entrou para a série de recordes batidos nos últimos meses em um mercado da arte em efervescência, no qual uma versão de O Grito rompeu em maio todos os registros dos leilões de arte ao ser comprado por 120 milhões de dólares (247,5 milhões de reais).

Publicidade

Além de Estrela Azul, o quadro do também espanhol Pablo Picasso Homem Sentado (1972) foi arrematado no mesmo leilão londrino desta terça-feira em 6,2 milhões de libras (20 milhões de reais).

(Com Agência EFE)

Publicidade