Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Publicidade de série coloca símbolo nazista no metrô de Nova York

'O Homem do Castelo Alto', baseada no livro de mesmo nome de Philip K. Dick, imagina os Estados Unidos divididos entre Japão e Alemanha após a II Guerra Mundial

O Homem do Castelo Alto, série da Amazon baseada em livro de mesmo nome de Philip K. Dick, causou controvérsia nos Estados Unidos ao estampar símbolos nazistas no metrô de Nova York. A trama imagina como seria o país dividido entre a Alemanha Nazista e o Japão Imperial caso ele tivesse perdido a II Guerra Mundial. Os assentos dos vagões exibem o símbolo do partido nazista e do sol nascente adaptados às cores dos Estados Unidos. Ann Toback, que divulgou as imagens ao site Gothamist, falou que teve de se sentar na “insígnia nazista porque não queria olhar para ela”. Ann é diretora da The Workmen’s Circle, organização fundada em 1892 que fomenta o Judaísmo através da cultura e de causas sociais.

LEIA TAMBÉM:

Schweinsteiger vira boneco nazista e entra na Justiça

Prefeitura de Nice, na França, exibe flâmula nazista

Time dos neonazistas’ pode ser expulso de liga de futebol alemã

No início do ano, a MTA (Metropolitan Transportation Authority), empresa que controla os ônibus e linhas de metrô de Nova York, estabeleu uma regra que proíbe propagandas de cunho políticos. A que promove O Homem do Castelo Alto, no entanto, não se enquadra nesta proibição. “A não ser que você acredite que a Amazon promove a tomada dos Estados Unidos pelos nazistas, ela está de acordo com nossos padrões”, disse Adam Lisber, porta-voz da MTA. “A Amazon está fazendo propaganda de um programa”, completou.

Evan Bernstein, diretor da Liga Anti-Difamação, grupo que combate o anti-semitismo, diz que as imagens estão fora de contexto. “O programa explica a ideia de que imagina os Estados Unidos tomados por Hitler, há um contexto. Já nos trens, você vê o símbolo nazista em uma bandeira americana, o que é visceralmente ofensivo. A campanha publicitária se aproveita de algo que é delicado para muitas pessoas.” A Amazon não se pronunciou sobre o caso.