Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Pressão da Igreja faz Mangueira tirar Cristo-Oxalá da avenida

Imagem que representava o sincretismo religioso não agradou à Arquidiocese do Rio de Janeiro

Por Da redação - Atualizado em 4 mar 2017, 09h35 - Publicado em 4 mar 2017, 09h33

A pedido da Igreja Católica, a escola de samba Mangueira decidiu não levar para o Desfile das Campeãs, neste sábado, uma das alegorias mais marcantes do Carnaval: o tripé “Santo e orixá”, que trazia de um lado a imagem de Jesus Cristo e, de outro, a de Oxalá. As informações são do jornal Extra.

A solicitação para não voltar a exibir a imagem, que representa o sincretismo religioso, foi feita pela Arquidiocese do Rio de Janeiro à Liga Independente das Escolas de Samba.

— Lamento essa decisão, porque foi uma das imagens mais bonitas do ano. Mas os presidentes da Mangueira e da Liesa chegaram a um acordo, para evitar polêmicas — disse ao Extra o carnavalesco Leandro Vieira.

A Mangueira, quarta colocada na classificação final do Carnaval de 2017, desfilou com o enredo  ‘Só com a ajuda do santo’.

Publicidade