Clique e assine com 88% de desconto

Polanski retrata famoso erro judicial francês do século XIX; veja trailer

Novo filme do cineasta, 'O Oficial e o Espião' conta a história de Alfred Dreyfus — um judeu e capitão do exército injustamente condenado por traição

Por Redação - Atualizado em 23 jan 2020, 11h59 - Publicado em 23 jan 2020, 11h06

O novo filme de Roman PolanskiO Oficial e o Espião, acaba de ganhar data de estreia no Brasil: 12 de março. A produção narra o caso Dreyfus, um erro judicial ocorrido na França do século XIX, que resultou em um escândalo político de grandes proporções. A arbitrariedade levou dez anos para ser corrigida e levantou acusações de antissemitismo e conivência contra figuras do alto escalão militar.

“Boas histórias rendem grandes filmes e o caso Dreyfus é uma história excepcional. A história de um homem injustamente acusado é fascinante, mas também é muito atual, dado o aumento do antissemitismo”, declarou o diretor.

Ao final do século XIX, o Capitão Alfred Dreyfus era um dos poucos judeus a integrar o exército francês, até ser acusado pelos companheiros de compactuar com a Alemanha por meio de espionagem. Julgado a portas fechadas, Dreyfus foi injustamente condenado por traição e sentenciado a prisão perpétua na ilha do Diabo.

Confira o trailer legendado do filme divulgado por VEJA em primeira mão:

Publicidade

A história é contada sob o ponto de vista do coronel Picquart, militar que revelou a armação. “Toda a ação, com diversos personagens e reviravoltas, acontece em Paris, enquanto o nosso personagem principal estaria preso. Era melhor contar a história do ponto de vista do coronel Picquart, um dos principais personagens”, explicou o cineasta sobre a escolha.

Para tornar a história acessível àqueles que a desconhecem, a narrativa foi construída na forma de uma investigação policial conduzida por Picquart, que não aceita a condenação e dá início a uma apuração independente do caso.

“O público compartilha cada etapa da investigação com Picquart. E todos os eventos principais são autênticos, assim como muitas das palavras ditas, porque são retiradas dos registros contemporâneos”, finaliza Polanski.

Publicidade

Em sua estreia no Festival de Veneza, O Oficial e o Espião levou para casa quatro estatuetas: duas relacionadas à sua qualidade, o Leão de Prata (dado pelo júri) e o Prêmio da Crítica, além de um prêmio dedicado à sua mensagem social e outro pela produção sustentável. 

Publicidade