Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Patrimônio arqueológico palestino é apresentado em Paris

O patrimônio palestino, em particular o arqueológico, será apresentado nesta semana em Paris, durante um seminário científico dedicado à sua conservação e valorização, segundo seus organizadores.

Este congresso internacional acontecerá na quinta e na sexta-feira na Escola Nacional Superior (ENS) em Paris.

Tem como objetivo “apresentar ações de conservação e redimensionamento, a partir dos vestígios do mosteiro de Santo Hilário em Tell Umm Amer, na Faixa de Gaza”, explicou à AFP o arqueólogo René Elter que conduz as escavações no local.

O eremita Hilário, nascido perto de Gaza, criou no século IV o primeiro mosteiro da Palestina.

Uma ação de cooperação científica franco-palestina foi iniciada em Gaza para a formação de arqueólogos e de restauradores palestinos ligados à Universidade islâmica local.

O seminário deve também divulgar as ações de valorização realizadas no conjunto dos territórios palestinos, como Nablus, Belém e Hebron, na Cisjordânia, e ainda no centro histórico da cidade de Gaza (casas antigas).

Entre os participantes, está, principalmente, o dominicano Jean-Baptiste Humbert, diretor do Departamento de Arqueologia da Escola Bíblica e Arqueológica Francesa (Ebaf) de Jerusalém, e Béatrice André-Salvini, chefe do Departamento de Antiguidades Orientais do Louvre.

Os palestinos foram recentemente admitidos na Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura), apesar da oposição dos Estados Unidos e de Israel, e querem incluir seus famosos sítios ao Patrimônio Mundial da Humanidade.

A Autoridade Palestina já apresentou oficialmente, há um ano, a candidatura a patrimônio mundial de Belém (Cisjordânia), local de nascimento de Cristo segundo a tradição. A Unesco deve tomar sua decisão em julho de 2012.

O Departamento Palestino de Antiguidades já registrou, entre locais de interesse religiosos, culturais e de beleza natural, o Garizim, o monte sagrado dos Samaritanos, as grutas de Qumran, onde foram descobertos os manuscritos do Mar Morto, o próprio Mar Morto e a cidade velha de Nablus.