Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Patricia Marx: ‘Gravei faixa porque Xuxa não conseguia cantar’

Cantora do Trem da Alegria usou o Facebook para dizer que, sim, fez voz guia para Xuxa

Que Xuxa não sabe cantar é fato consumado. Mas ouvir isso de alguém que acompanhou o, vamos dizer, drama da apresentadora em um estúdio de gravação é ainda assim revelador. Nesta quarta-feira, a ex-Trem da Alegria Patricia Marx usou o Facebook para confirmar o rumor de que gravou, nos anos 1980, voz guia para um disco da Xuxa. Voz guia é a voz-base, sobre a qual artistas sem afinação cantam para entregar um resultado aceitável, e que se usava muito em uma época sem programas de correção de voz como o já popular autotune.

LEIA TAMBÉM:

Na luta pela audiência, Xuxa sofre nas mãos de Patrícia Abravanel

“A verdade é que gravei voz guia em apenas uma música, porque a Xuxa não estava conseguindo cantar”, escreveu Patricia. “Não me lembro qual era a música, infelizmente. Me lembro de chegar no estúdio, porque sempre andava com ela direto naquela época quando ia ao Rio de Janeiro. Sullivan me pediu para que eu fizesse voz guia em tal música, fiz e a Xuxa ficou chateada, deitada no chão do estúdio, porque não era cantora, não tinha voz, e talvez porque se sentisse pressionada a ser – por ela própria e pelos produtores”, continuou Patricia, citando o compositor e produtor Michael Sullivan, parceiro de Paulo Massadas e autor de sucessos da loira como Parabéns da Xuxa.

“Quando saíamos de carro, ela dirigindo, colocava as músicas que iria cantar para tocar, e me perguntava como eu cantaria tal música. Eu, do banco de trás, cantava do meu jeito, e ela ia imitando, cantando junto, e fazendo os tais finais famosos, que são conhecidos dela”, continuou Patricia. “Porque eu fiz muito esses finais de frase, meio gemido, na fase do álbum do Festa do Amor (do Trem da Alegria). Depois, eu fui testando e descobrindo outros caminhos vocais nos álbuns posteriores. Eu achava graça, mas também senti que ficava uma situação meio chata. Porque percebia uma certa tristeza nela por não conseguir alcançar as notas mais agudas.”

Confira abaixo o post de Patricia Marx: