Clique e assine a partir de 9,90/mês

Os planos de Kaysar, Gleici e família Lima para o prêmio do ‘BBB18’

Em conversa na véspera da final do programa, participantes compararam o que pretendem fazer com o prêmio de 1,5 milhão de reais

Por Da redação - Atualizado em 18 Apr 2018, 18h49 - Publicado em 18 Apr 2018, 18h48

Às vésperas da final do Big Brother Brasil 18, Kaysar, Gleici, Ana Clara e Ayrton já especulam o que fazer com o prêmio de 1,5 milhão de reais. Em conversa durante esta tarde, os participantes confessaram o que pretendem fazer se ganharem o reality show, que consagrará o vencedor na noite da quinta-feira, 19.

Confira abaixo os planos de cada um para a bolada:

Gleici

Continua após a publicidade

Gleici sustentava a família com seu salário de funcionária pública — algo em torno de 2.700 reais. Uma vez no BBB, a estudante de psicologia foi exonerada do cargo, e desde então, sua mãe, irmão, irmã, sobrinha e cunhado vivem basicamente da caridade alheia. Com o 1,5 milhão de reais, Gleici quer dar uma vida mais confortável aos parentes, moradores de um dos bairros mais pobres de Rio Branco, capital do Acre. “Se eu ganhar, eu quero fazer casa para as minhas duas avós, pro meu avô e pra minha mãe. Esse prêmio é só para isso”, cravou aos outros finalistas.

 

Família Lima

Ana Clara entrou no programa para ajudar o pai, Ayrton, a realizar o sonho de participar do Big Brother. Depois de dez semanas de confinamento e sonho realizado, o “papito” mira o prêmio milionário para casar com Eva, sua esposa e mãe da menina. “Eu não sou casado com ela, sou juntado, namorado dela. Sem cartório, sem nada. Meu estado civil é solteiro”, explicou o analista de sistemas. “O sonho do meu pai é casar com a minha mãe”, terminou a estudante.

Continua após a publicidade

 

Kaysar

Kaysar foi bem claro — e cada vez mais enfático — quanto ao seu objetivo com o BBB18: tirar os pais da Guerra da Síria e trazê-los para o Brasil. Diane a George Dadour vivem em Alepo, cidade ao norte do país destruída pelo conflito. Kaysar deixou sua família há cerca de 8 anos, em um ponto crítico da guerra, e buscou refúgio na Ucrânia. De lá, ele migrou para o Brasil, onde vive com um primo de sua mãe. Com o prêmio, ele pretende custear as passagens do pai e da mãe

Publicidade