Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Onda de livros eróticos invade a Feira de Frankfurt

Com 'Cinquenta Tons de Cinza', britânica EL James abre caminho para dezenas de outras autoras

Para os leitores que entraram na onda da nova literatura erótica, a notícia é boa; para quem não conseguiu embarcar na ideia, a dica é respirar fundo e passar longe das gôndolas centrais das livrarias nos próximos meses: vem muito mais pela frente. A contar pela quantidade de títulos que editoras estrangeiras e agências literárias têm oferecido às editoras brasileiras — pelo menos 25 obras já foram compradas ou começaram a ser negociadas nessas duas últimas semanas –, esse segmento será o forte da Feira do Livro de Frankfurt deste ano, que abre suas portas nesta quarta-feira para cerca de 180.000 profissionais do mercado editorial internacional e no sábado e domingo para o público em geral.

Desde a Feira do Livro de Londres, em abril, o que se constata é a explosão da produção e da venda de romances eróticos, com Cinquenta Tons de Cinza abrindo caminho para dezenas de outras autoras e assumindo a liderança — já são mais de 40 milhões de exemplares vendidos. “Agora, o mundo está tentando encontrar um livro, ou uma trilogia, que possa ter uma performance como a de E L James”, conta Andy Hine, diretora de direitos estrangeiros da britânica Little, Brown, do grupo Hachette, que também está tentando pegar carona no fenômeno. Ela publicou, entre outros, A Haven of Obedience (Um Refúgio da Obediência, em tradução direta) e Dark Secret (Segredo Obscuro, em tradução livre), de Marina Anderson, já vendidos no Brasil para a Ediouro.

É a oportunidade que o mercado editorial procurava para mudar o foco, já que desde Harry Potter (1997) o que tem saído das gráficas e chegado às listas de mais vendidos são, no geral, séries juvenis, ou como se diz no jargão profissional, YA, Young Adults (jovens adultos), boa parte delas dominada por vampiros. Isso não quer dizer que essa onda de fantasia tenha perdido a força; só ganhou concorrência.

Tomás Veiga, sócio da Sextante, acaba de comprar sua primeira série nessa linha. Gabriel’s Inferno, baseada no Inferno de Dante e que narra a história de amor entre um professor e sua aluna, começa a ser publicada no início de 2013 e aponta para um outro fenômeno do momento: os livros autopublicados que encontram o seu público e chamam a atenção das grandes editoras. Aconteceu com EL James e também com esta série de Sylvain Reynard – ambas lançadas de forma independente em e-book ou para impressão sob demanda.

“Há uma oferta muito grande de livros eróticos e a questão é saber o quanto isso vai ser uma coisa mais passageira ou se vai se tornar algo tão forte como os livros para leitores jovens. Escolhemos um título de que gostamos e estamos correndo para lançar. Não sei se publicaremos outros. Estamos com um pé atrás porque vem uma grande enxurrada por aí”, alerta Veiga.

(Com Agência Estado)