Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘O Hobbit’ pode ser última adaptação de Tolkien, diz diretor

Segundo Peter Jackson, que também rodou 'O Senhor dos Anéis', as únicas obras que tiveram os direitos vendidos pelo autor para o cinema já foram filmadas. O restante pertence ao espólio do escritor e nunca foi vendido

Os fãs de J. R. R. Tolkien têm um motivo extra para correr aos cinemas a partir do próximo dia 11, a quinta-feira da semana que vem. O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos, que estreia na data, não é apenas o filme que encerra a trilogia baseada na história do hobbit Bilbo Bolseiro, vivido nas telas por Martin Freeman, mas também aquela que pode ser a última adaptação de uma obra do escritor britânico para o cinema. Segundo o diretor da trilogia Peter Jackson, que também comandou o set da saga O Senhor dos Anéis, essas são as únicas histórias que tiveram seus direitos vendidos para estúdios por Tolkien, ainda nos anos 1960. O restante da produção do linguista, morto em 1973, pertence a seu espólio, que nunca o comercializou.

Leia também:

Trilogia ‘O Hobbit’ já consumiu quase 2 bilhões de reais

‘O Hobbit 3’ é o filme mais esperado – ao menos no YouTube

“Sem a cooperação das pessoas que administram o espólio de Tolkien, pode não haver mais nenhum filme”, disse Jackson em entrevista coletiva realizada em Londres nesta terça-feira, de acordo com o jornal britânico The Guardian. “O Senhor dos Anéis e O Hobbit são, de longe, os títulos mais conhecidos do autor, mas ele escreveu várias outras histórias sobre a Terra-Média, como o livro póstimo O Silmarillion, uma coleção de contos escritos para dar corpo a mitos que antecederiam as histórias de Bilbo e de Frodo Baggins.”

Para piorar, se depender dos herdeiros de Tolkien, a Terra-Média vai ficar cada vez mais distante da sala escura. Em entrevista concedida em 2012 ao jornal francês Le Monde, Christopher Tolkien, filho do escritor, mostrou resistência à ideia de haver mais adaptações dos livros de seu pai. “Tolkien se tornou um monstro, devorado pela própria popularidade e deglutido pelo absurdo do nosso tempo”, disse. “A comercialização tem reduzido o impacto estético e filosófico da sua criação. Para mim, há apenas uma solução: virar o rosto para isso tudo.”