Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Netos de Jorge Amado lembram seu lado mais íntimo

A família de Jorge Amado agradeceu as homenagens dedicadas ao escritor baiano nesta sexta-feira, quando ele completaria 100 anos. “As homenagens, na Bahia, no Brasil e no mundo inteiro, demonstram o amor do povo por nosso avô e como as pessoas se identificam ainda hoje com suas histórias”, disse João Jorge Amado Filho, um dos netos do escritor.

Para seus descendentes, Amado sempre foi uma pessoa “simples” que, embora amigo de grandes figuras literárias como o chileno Pablo Neruda e o português José Saramago, sempre manteve sua casa aberta às pessoas que queriam conhecê-lo. “A figura humana era muito maior que a do escritor, ele adorava estar rodeado da família”, contou outro neto do escritor, Jorge Amado Neto, professor de Direito Constitucional em Salvador.

Seus netos lembram como Amado sempre escrevia na mesa do salão da casa, sem camisa e com máquina de escrever, já que nunca quis usar computadores. Segundo Amado Neto, o escritor começava a trabalhar às oito da manhã e só parava ao meio-dia para almoçar; depois seguia durante a tarde pelo menos por mais quatro horas. Às vezes, escrevia 20 páginas por dia e depois jogava tudo no lixo. O escritor dizia que “qualidade se consegue com o exercício”, contou Amado Neto.

“Convivemos muitos anos com ele em sua casa de Rio Vermelho e era muito apegado à família, nos lia seus manuscritos e nos contava histórias de sua juventude”, lembraram os netos do autor de Dona Flor e seus Dois Maridos e Gabriela, Cravo e Canela, entre outras obras. Jorge Amado, nascido em 10 de agosto de 1912 no município de Itabuna, no sul da Bahia, morreu em Salvador uma semana antes de completar 89 anos, no dia 6 de agosto de 2001.

(Com agência EFE)