Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Netflix enfrenta polêmicas por nus frontais masculinos em filmes

Serviço de streaming se envolveu recentemente em discussão sobre cena de nudez com ator de 15 anos

Cenas de nudez feminina estão longes de ser tabu para Hollywood (Sharon Stone em Instinto Selvagem, Kate Winslet em O Leitor ou Nicole Kidman em De olhos Bem Fechados são exemplos disso). A Netflix, no entanto, tem sido pauta para discussões sobre a exibição de nus frontais masculinos nos últimos meses.

A mais recente delas envolveu o filme Girls, do diretor belga Lukas Dhont, exibido em maio no Festival de Cannes, na França, e representante da Bélgica na corrida pela indicação a melhor filme estrangeiro no Oscar 2019. 

O longa, que ainda não tem data para chegar no serviço de streaming, acompanha uma menina transgênero (interpretada por Victor Polster) que treina para se tornar uma bailarina profissional. Em uma cena, a câmera mostra o pênis do ator (que tinha 15 anos na época das gravações).

“Tivemos conversas internas com a Netflix sobre como Girl poderia ser recebido fora da Europa. Nos deram a opção de editar o filme”, afirmou Dhont em um comunicado à revista americana The Hollywood Reporter. No entanto, o cineasta assegurou que a versão que será transmitida pelo serviço será a mesma exibida em Cannes.

No início do mês, o alvo das discussões foi o galã Chris Pine (de filmes como Star Trek e Mulher-Maravilha). O ator americano protagoniza o filme épico de guerra Legítimo Rei, que estreou no catálogo da Netflix em 9 de novembro. A cena de nu frontal de Pine foi motivo de diversos comentários nas redes sociais antes mesmo da estreia da produção.

“As pessoas estavam rindo do meu pênis como se estivéssemos na escola infantil”, afirmou Pine em entrevista ao jornal britânico The Guardian. O ator ainda se comparou com a colega de elenco no longa: “Florence Pugh mostra os seios e o seu corpo e ninguém está falando. É porque isso é esperado dela, enquanto mulher? E por que isso não é esperado de mim? Por que mostra vulnerabilidade ou um tipo de fraqueza? Simplesmente não sei”, questionou.

Outro filme de grande porte que se prepara para chegar à Netflix em dezembro é Roma, de Alfonso Cuarón, vencedor do Leão de Ouro no Festival de Veneza este ano. O longa, que chega no dia 14 ao canal de streaming, traz uma longa cena de nudez frontal masculina, apesar das personagens centrais do filme serem mulheres. Coberta por um lençol, a protagonista Cleo (Yalitza Aparicio) assiste a Fermín (Jorge Antonio Guerrero) praticar artes marciais completamente nu no quarto. Apesar da descrição transparecer um lado cômico, a cena não é motivo de risada, mostrando apenas um gesto de intimidade entre os dois personagens.