Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Morre aos 70 anos o diretor Hector Babenco

Argentino radicado no Brasil e casado com Barbara Paz assinou longas como 'Carandiru' (2003), 'Pixote' (1981) e 'O Beijo da Mulher Aranha' (1985)

Morreu na noite desta quarta-feira, de parada cardíaca, o cineasta Hector Babenco. Argentino radicado no Brasil há cinquenta anos, Babenco tinha 70 e era casado com a atriz  Barbara Paz.

LEIA TAMBÉM:
Hector Babenco reimagina sua vida em ‘Meu Amigo Hindu’

A morte foi anunciada pela Galeria Raquel Arnaud, empreendimento de sua ex-mulher, que dá nome ao local, e estabelecimento onde trabalha a sua filha, Myra. “É com grande pesar que comunicamos o falecimento de Hector Babenco, pai de nossa diretora associada Myra Arnaud Babenco. A Galeria estará fechada ao público hoje e amanhã. Informações sobre velório serão comunicadas assim que as tivermos”, diz comunicado na página da Galeria Raquel Arnaud no Facebook.

Naturalizado brasileiro aos 31 anos, o diretor se tornou um dos principais nomes do cinema nacional, com filmes como Pixote – a Lei do Mais Fraco (1981), sobre a situação dos meninos de rua, O Beijo da Mulher Aranha (1985), que projetou Sonia Braga no exterior, e Carandiru (2003), baseado no livro de Drauzio Varella sobre a sua experiência como médico da penitenciária, famosa por ter sido palco de um massacre em 1992.

Ele foi indicado ao Oscar de Melhor Diretor por O Beijo da Mulher Aranha, e três de seus filmes — O Beijo, Coração Iluminado (1998) e Carandiru — disputaram a Palma de Ouro em Cannes.

São dele, também, Lúcio Flávio, o Passageiro da Agonia (1977), Ironweed (1987) e Brincando nos Campos do Senhor (1991).

Neste ano, Babenco lançou o autobiográfico Meu Amigo Hindu, em que lembra a sua luta contra um câncer e os seus relacionamentos amorosos. O longa, que conta com Willem Dafoe e Maria Fernanda Cândido, tem uma citação a Ingmar Bergman, com a entrada em cena da morte, papel de Selton Mello, que aparece para jogar xadrez com ele.

Biografia e obra — Hector Babenco tinha 19 anos quando veio para o Brasil. Era cinéfilo de carteirinha, como mostrou em um de seus filmes autobiográficos, que não representam o melhor de sua obra. Coração Iluminado é sobre o jovem Babenco, na província argentina. Poderia ser um boa-vida de Federico Fellini, numa cidade marítima como Rimini, e era Mar Del Plata. Sentia-se mais como um desgarrado Antoine Doinel latino, e suas paixões o direcionavam para a nouvelle vague (e François Truffaut). No Rio, começou bem de baixo, como vendedor. Fez-se, na marra, cineasta. Estreou em 1975, aos 29 anos, com O Rei da Noite, interpretado por Paulo José e Marília Pêra, mas há controvérsia. Seu nome aparece na ficha técnica do Dicionário de Filmes Brasileiros, de Antônio Leão da Silva Neto, como codiretor (com Roberto Farias) de O Fabuloso Fittipaldi, feito dois anos antes.

Fittipaldi, mesmo se fosse um filme de Babenco, seria um acidente de percurso. Salvou-o, como diz Arnaldo Jabor, ter vindo para São Paulo. A partir de O Rei da Noite, o foco é outro. De cara, o filme valeu a Paulo José o Candango de melhor ator no Festival de Brasília. O filme mezzo portenho mezzo paulistano de Babenco, ou de como um certo Tertuliano inicia sua trajetória na noite de São Paulo. Foi um primeiro êxito, e respeitável. Logo veio, em 1977, Lúcio Flávio, o Passageiro da Agonia, primeira de uma série de adaptações de Babenco — no caso, de José Louzeiro. Aos 31 anos, e forçando a incipiente abertura do regime cívico-militar, Babenco aponta a conexão entre esquadrões da morte, aparato repressivo da polícia e os porões da ditadura. Dessa vez, foi em Gramado que Reginaldo Faria ganhou o Kikito de melhor ator, um dos quatro atribuídos ao filme, sendo os demais melhor fotografia (Lauro Escorel), montagem (Sylvio Rinoldi) e ator coadjuvante (Milton Gonçalves).

Naquele mesmo ano, Lúcio Flávio recebeu o prêmio da 1ª Mostra, selando a ligação de Babenco com o evento de cinema que tem a cara de São Paulo. Para ninguém dizer que um estrangeiro se imiscuíra nos assuntos internos brasileiros, o cineasta se naturalizou. Foi assim, como brasileiro, que ele afrontou a censura com Lúcio Flávio e, na sequência, em 1982, escancarou a violência da infância abandonada e carente do Brasil. Pixote, a Lei do Mais Fraco marcou um salto e tanto. Lançado nos EUA, o filme tornou Babenco internacional, e Marília Pêra ganhou o prêmio de melhor atriz dos críticos de Nova York. A realidade das Febems, a transformação de menores em criminosos -0 e o próprio ator Fernando Ramos da Silva, com o codinome de Pixote, virou referência no mundo do crime. Não faltaram críticas a Babenco — aproveitara-se do garoto, não o preparara para sua frágil celebridade. O cineasta refutava as acusações, forçando o país a encarar a falência do seu sistema de reeducação e integração de menores considerados delinquentes.

Internacionalizado, fez, com resultados desiguais, O Beijo da Mulher Aranha, com Sonia Braga – e que deu a William Hurt o prêmio de melhor ator em Cannes e o Oscar de Hollywood -, Ironweed, com Jack Nicholson e Meryl Streep, e Brincando nos Campos do Senhor, com Tom Berenger. Três adaptações — de Manuel Puig, William Kennedy e Peter Mathiessen. Em 1990, concluído o último, descobriu que estava com câncer (linfoma) e iniciou um tratamento que se prolongou por vários anos. Em 1998, surgiu Coração Iluminado, e Babenco admitiu, mais tarde, para o repórter, que havia feito o filme errado, matando a personagem interpretada por Xuxa Lopes, sua mulher na época.

Em 2003, colheu seu maior sucesso de público no Brasil com Carandiru – O Filme, que assinalou seu retorno ao tema da ética da criminalidade e tem cenas de antologia. Depois, só mais dois filmes, ambos com elementos autobiográficos, O Passado e Meu Amigo Hindu. Mesmo que não tenha feito mais nada tão grande como Pixote, Babenco deixou sua marca no cinema brasileiro, oferecendo uma alternativa — estética, política e social — ao cinema novo. Não representam pouco os elogios que lhe fazem, aqui, dois luminares do movimento, Cacá Diegues e Arnaldo Jabor.

(Da redação com informações de Estadão Conteúdo)