Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Miss Peru: candidatas trocam medidas por dados de feminicídio

Participantes do concurso denunciaram casos de violência contra a mulher no país durante a cerimônia

Por Da redação - Atualizado em 1 nov 2017, 10h55 - Publicado em 1 nov 2017, 10h50

As candidatas do Miss Peru 2017 aproveitaram o espaço ao vivo na televisão, durante a exibição do concurso no último domingo, para chamar a atenção para os números de violência contra mulher no país. Durante as apresentações, logo no começo da transmissão, em vez de falarem as suas medidas corporais, as 23 representantes peruanas denunciaram dados de feminicídio.

“Represento o Departamento de Lima e minhas medidas são: 2.202 casos de feminicídio nos últimos nove anos no meu país”, afirmou Camila Canicoba, a primeira participante a se apresentar. As declarações continuaram com dados de agressões contra menores, violência física e psicológica, assédio e abuso sexual contra mulheres, entre outros. 

A iniciativa foi realizada pelas modelos junto com a organização do evento. Durante o desfile em trajes de banho, a cantora peruana Leslie Shaw apresentou a música Siempre Más Fuerte, enquanto recortes de notícias de violência contra a mulher eram projetados ao fundo. Nos versos de sua canção, Leslie afirmava frases como “Venciendo el miedo, rompiendo el silencio. Sentir mi poder como mujer” (“Vencendo o medo, rompendo o meu silêncio. Sentir meu poder como mulher”, em tradução livre).

As reivindicações continuaram durante a etapa de perguntas para as candidatas, em que diversas expressaram preocupação com as discriminações de gênero. A hashtag “MisMedidasSon” ficou entre as mais utilizadas no Twitter durante a transmissão do concurso. No final da noite, Romina Lonzano, representante do Callao, foi eleita a Miss Peru 2017.

Publicidade

Publicidade