Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Michael Haneke conquista sua segunda Palma de Ouro em Cannes com ‘Amour’

Por Da Redação - 27 maio 2012, 16h37

Javier Alonso.

Cannes (França), 27 mai (EFE).- O cineasta austríaco Michael Haneke ganhou pela segunda vez em sua carreira a Palma de Ouro do Festival de Cannes, cuja premiação neste domingo também foi marcada pelo reconhecimento do mexicano Carlos Reygadas como melhor diretor.

O drama dirigido por Haneke e protagonizado por Jean-Louis Trintignant e Emmanuelle Riva sobre a história de amor de um casal no final de suas vidas conquistou o principal prêmio de Cannes, anunciado pelo presidente do júri, o diretor italiano Nanni Moretti.

O italiano explicou, depois do anúncio dos prêmios, que o júri se guiou em suas decisões de atribuição dos prêmios pelo desejo de ‘representar todas as sensibilidades’.

Publicidade

Haneke consegue entrar assim no exclusivo grupo de diretores que receberam mais de uma vez a Palma de Ouro, no qual lhe precederam Alf Sjöberg, Francis Ford Coppola, Bille August, Emir Kusturica, Shohei Imamura e os irmãos Luc e Jean-Pierre Dardenne.

Os membros do júri alçaram desta vez ao Olimpo de Cannes um intenso drama que desde o início do festival liderava as apostas e previsões dos críticos.

Os atores Adrien Brody e Audrey Tautou entregaram o prêmio a Haneke, que já obteve a cobiçada Palma de Ouro em 2009 com ‘A Fita Branca’.

Já o Grande Prêmio de Cannes, que reconhece a produção que manifesta a maior originalidade ou espírito inovador, foi entregue ao diretor italiano Matteo Garrone, por seu filme ‘Reality’, uma brincadeira elegante com os realitys shows, uma mudança de estilo considerável em relação ao seu ‘Gomorra’, com o qual levou o mesmo prêmio em 2008.

Publicidade

O júri escolheu como melhor diretor o mexicano Carlos Reygadas por seu ‘Post Tenebras Lux’, uma colagem quase indecifrável de cenas e situações em torno de um homem que se muda com a mulher e os dois filhos de alguma cidade grande no México para o campo.

O México, aliás, já havia se destacado no festival no sábado depois que o filme ‘Después de Lucía’, de Michel Franco, conquistou o prêmio do júri da mostra ‘Um Certo Olhar’.

Já o veterano cineasta britânico Ken Loach conseguiu com seu ‘The Angel’s Share’, uma comédia social que causou risos e aplausos em sua exibição, levar pra casa o Prêmio do Júri da 65ª edição do festival francês.

Ao contrário das previsões dos últimos dias que apontavam a vitória dos veteranos atores de ‘Amour’, os prêmios de interpretação ficaram com o dinamarquês Mads Mikkelsen, por ‘Jagten’, e com as romenas Cristina Flutur e Cosmina Stratan, por seu trabalho em ‘Beyond The Hills’.

Publicidade

O diretor deste último filme, o também romeno Cristian Mungiu, levou ainda o prêmio de Melhor Roteiro em Cannes, o que lhe coloca na lista de diretores premiados mais de uma vez no Festival, pois em 2007 ganhou a Palma de Ouro por ‘4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias’.

A lista de premiados neste festival, que esteve marcado pelas frequentes chuvas que tiraram o brilho do tapete vermelho prévio à entrega dos prêmios, inclui ainda a Câmera de Ouro, para a melhor estreia, que reconheceu o americano Benh Zeitlin pelo filme ‘Beasts of The Southern Wild’.

Saíram com as mãos vazias alguns filmes e diretores apontados como favoritos, principalmente o francês ‘De Rouille et D’os’, dirigido por Jacques Audiard e protagonizado por Marion Cotillard, e ‘Holy Motors’, do cineasta Léo Carax.

Da lista de premiados também ficaram de fora ‘Cosmopolis’, de David Cronenberg, e ‘Na Estrada’, do brasileiro Walter Salles, que teve uma acolhida apenas morna da crítica internacional. EFE

Publicidade