Clique e assine a partir de 9,90/mês

‘Marighella’ segue inédito no Brasil. E o motivo não é censura

Há um ano fazendo sucesso no exterior, o filme ainda não foi exibido no país por uma outra razão: um calote da produtora

Por André Siqueira - Atualizado em 10 jan 2020, 15h29 - Publicado em 10 jan 2020, 06h00

O filme Marighella, protagonizado por Seu Jorge e dirigido por Wagner Moura, já acumula uma carreira notável, embora não tenha chegado às salas de cinema do Brasil. Desde que ficou pronto, em janeiro de 2019, foi selecionado e exibido em trinta festivais internacionais. O cantor Seu Jorge, que interpreta o guerrilheiro morto pela ditadura em 1969, arrebatou o prêmio de melhor ator nos festivais de Bari, na Itália, e de Goa, na Índia. Apesar disso, o longa continua sem data para entrar no circuito nacional. O problema, segundo Moura, seria uma censura velada pelo governo Bolsonaro. “A Ancine está destruída”, afirmou ele em uma das entrevistas que concedeu sobre o caso, referindo-se à agência federal de fomento ao setor audiovisual. “A censura não é como a da ditadura militar, que dizia ‘isso é proibido’. Hoje eles infiltram pessoas nessas agências, e elas tornam tudo impossível de acontecer. Foi isso que fizeram com Marighella. Acharam uma forma de tornar o lançamento impossível do ponto de vista burocrático.”

O nó da questão é que o lançamento no Brasil depende da aprovação de uma linha de financiamento de 1 milhão de reais junto à Ancine. Em sua defesa, o órgão argumenta que esse dinheiro não foi liberado devido a um problema de inadimplência da produtora responsável pelo longa, a O2 Filmes. Em nota enviada a VEJA, os responsáveis pela Ancine afirmam que a O2 não consegue receber recursos do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) para Marighella porque está inadimplente na prestação de contas de outro financiamento, relacionado ao filme O Sentido da Vida. E a justificativa da Ancine nesse caso é verdadeira.

ERROU O ALVO – O diretor Wagner Moura: críticas injustas à Ancine Marilla Sicilia//Getty Images

Em contato com a revista, a produtora reconheceu o problema e disse que já tomou todas as medidas cabíveis para solucioná-lo. A O2 declarou também que pretende resolver o imbróglio do financiamento de Mari­ghel­la para poder lançá-lo o mais breve possível e admitiu que a demora em viabilizar a estreia nacional está relacionada a questões burocráticas. “Em nenhum momento acreditamos que houve qualquer tipo de censura.” Ou seja, de acordo com a produtora, Wagner Moura, que ficou famoso nas telas de cinema na pele do implacável Capitão Nascimento de Tropa de Elite, desta vez errou o alvo.

Após a publicação da matéria, a O2 Filme se manifestou. Leia a nota: “A O2 Filmes esclarece que não houve calote junto à Ancine e que a expressão utilizada no texto é pejorativa e não corresponde à realidade. Não existe dívida entre a O2 e a Ancine. A inadimplência, termo correto que deveria ser utilizado no texto, não é por prestação de contas e sim referente a uma prorrogação do prazo de entrega de um outro projeto.” A Ancine reafirma as informações encaminhadas a VEJA. Segundo a Agência, o “termo prestação de contas” não se aplica apenas a uma obrigação financeira, mas também à conclusão de um projeto.

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA de 15 de janeiro de 2020, edição nº 2669

Publicidade