Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Mangueira faz desfile povoado de críticas à história oficial do Brasil

Em contraponto à apresentação da Vila Isabel, que exaltou a família real, enredo diminuiu o papel de personagens como Duque de Caixas e D. Pedro I

Por Fernando Molica, do Rio de Janeiro - Atualizado em 5 mar 2019, 20h03 - Publicado em 5 mar 2019, 08h49

A Mangueira prometeu e cumpriu: fez um desfile radical, povoado de críticas à história oficial brasileira e a vultos de nosso passado. O objetivo ficou claro já na comissão de frente, em que os heróis emoldurados citados no samba surgiam diminutos, de pernas curtas – entre eles, D. Pedro I, Princesa Isabel e Pedro Álvares Cabral.

A partir daí, houve louvações a personagens negros e índios e condenações a figuras como Duque de Caxias que, num dos carros, pisoteava corpos.

O carnavalesco Leandro Vieira levou também para o Sambódromo um episódio ocorrido em 2016, a pichação do Monumento às Bandeiras, em São Paulo. Na alegoria, os danos à obra foram apresentados como marcas do sangue derramado por heróis populares.

Apesar do tema pesado, a escola veio leve, evoluiu sem problemas e precisou segurar os componentes no fim do desfile para cumprir o tempo minimo obrigatório. Na Apoteose, foi saudada pelo público com gritos de “campeã”.

Publicidade

Como previsto, Monica Benicio, viúva da vereadora Marielle Franco, morta em março de 2018, desfilou pela escola – veio no chão, ao lado da cantora Rosemary. Na última ala, componentes agitaram bandeiras com rostos da parlamentar assassinada e de mangueirenses ilustres como Cartola e Nelson Cavaquinho.

O desfile da Mangueira foi um contraponto ao da Unidos de Vila Isabel, na mesma madrugada. Um, o mangueirense, não poupou os personagens históricos e a narrativa oficial; o outro os exaltou, principalmente a família imperial. Sobraram histórias na Sapucaí.

Publicidade