Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Londres terá maior exibição não autorizada de Banksy

Pinturas, esculturas e serigrafias estão entre as 70 peças expostas pela casa de leilão Sotheby's. Valores para venda chegam a 1,8 milhão de reais

A casa de leilões Sotheby’s expõe a partir desta sexta-feira em Londres a maior mostra “não autorizada” do artista urbano Banksy. Mesmo que parte de sua arte não seja feita para o comércio, todas as 70 peças expostas, entre pinturas, esculturas e serigrafias, estão à venda, segundo o curador Steve Lazarides, que foi agente de Banksy durante uma década. Algumas peças podem chegar ao valor de 840.000 dólares, cerca de 1,8 milhão de reais.

Leia também:

Banksy vende por R$ 130 obras que custariam milhares

Banksy doa pintura customizada para caridade

Banksy zomba do mercado de artes e da crítica com ‘Exit Trough The Gift Shop’

“Não acho que teremos novamente uma coleção como esta, que reúna tantas de suas obras”, disse Lazarides à agência EFE. O agente afirmou, no entanto, que a presença de tantas obras variadas e seu comércio são motivos suficientes para tirar o sono do artista, avesso à fama e que não costuma vender seu trabalho por preços tão exorbitantes.

A estrela da exposição da Sotheby’s é a obra Pest Control (Controle de Pragas, em tradução livre), que Banksy fez de forma ilegal no museu de História de Natural de Londres, em 2004. A obra mostra um rato com uma mochila nas costas, uma lata de spray, uma lanterna e óculos escuros na cabeça, sob a inscrição “Our time will come” (Nosso tempo virá), com a qual o artista critica a proliferação de pragas causada pelos resíduos gerados pela sociedade.

Na mostra, também estão expostas as imitações que Banksy fez de alguns clássicos da arte, como a da escultura David, de Michelangelo, que aparece com um colete à prova de balas em sua versão. O Burguer King (2006), que representa uma criança negra com uma coroa da conhecida rede de fast-food e um prato de comida vazio à sua frente, também aparece em uma das salas da galeria.

(Com agência EFE)