Clique e assine a partir de 9,90/mês

Logan Paul volta a postar no Youtube, após vídeo sobre suicídio

Americano anunciou volta à plataforma, depois de receber críticas por postar gravação em que faz piadas ao ver o que seria um corpo pendurado em árvore

Por Da redação - Atualizado em 5 fev 2018, 16h53 - Publicado em 5 fev 2018, 16h19

Logan Paul voltou a postar no Youtube, depois de receber críticas por um vídeo em que visita a floresta japonesa Aokigahara, no monte Fuji, conhecida como “a floresta do suicídio”. No início do ano, o americano divulgou uma gravação em que faz piadas com amigos ao ver o que seria um corpo pendurado em uma árvore no local. 

O vídeo de doze minutos anuncia a volta do youtuber com uma produção cinematográfica. Em uma introdução gravada na praia, Logan aparece como um náufrago, caçando e comendo peixe cru. “Logan Paul, mostra o seu rosto pela primeira vez, depois que o desgraçado youtuber foi flagrado pelo país escondendo o rosto de paparazzi e engolindo as lágrimas nas mídias sociais”, anuncia o narrador da produção.

Depois de receber críticas pelo vídeo, o americano de 22 anos foi penalizado pelo Youtube. A plataforma o cortou de um programa de anúncios chamada Google Preferred e ainda congelou projetos programados com o criador de conteúdo, que incluíam a produção de um filme.

No novo vídeo, Logan Paul afirmou que nunca se esquecerá de tudo o que passou e afirmou ter se conscientizado mais sobre suicídio. O youtuber ainda aproveitou a oportunidade para divulgar a sua loja de produtos, que está sendo processada em quatro milhões de reais, de acordo com o próprio americano.

Continua após a publicidade

Paul ainda comemorou por ter ganhado mais um milhão de inscritos no canal durante as três semanas em que ficou fora das redes sociais. Atualmente, ele possui quase 16,5 milhões de inscritos na plataforma. No vídeo, que já conta com quase seis milhões de visualizações em dezesseis horas, ele ainda compartilha uma petição online para retirá-lo do Youtube, que já possui mais de 530 000 assinaturas. “Os haters estão mais fortes do que nunca”, afirma.

 

Publicidade