Clique e assine a partir de 9,90/mês

Licença para matar

Claire Foy mais uma vez brilha, agora com uma encarnação à moda de James Bond da hacker Lisbeth Salander em 'Millennium — A Garota na Teia de Aranha'

Por Isabela Boscov - 9 Nov 2018, 07h00

Até pintada para a guerra Lisbeth Salander está. Impassível, e com os olhos manchados de tinta branca, ela suspende o agressor pelos pés, espera a mulher agredida fugir e avisa: sempre vai saber onde ele está e o que fez; melhor, então, não fazer de novo. Não se trata de bravata. Em Millennium — A Garota na Teia de Aranha (The Girl in the Spider’s Web, Estados Unidos/Inglaterra/Alemanha/Suécia/Canadá, 2018), já em cartaz no país, a hacker Lisbeth não apenas é capaz de descobrir o paradeiro de qualquer um, em qualquer momento, como antecipa os movimentos dos adversários. Desloca-se de maneira quase miraculosa e esconde-se, também, com a mesma facilidade com que expõe os outros.Tem sempre à mão a arma, o veículo e o equipamento de que precisa. Lis­beth, em suma, virou James Bond, algo que desde os créditos de abertura o diretor uruguaio Fede Alvarez deixa bem claro. Na prática, assim, a inglesa Claire Foy, a estupenda Elizabeth II da série The Crown, acaba de passar a perna nos produtores de 007, que ainda não se decidiram por um sucessor para Daniel Craig: à parte coroarem Idris Elba como o primeiro Bond negro, não lhes resta nenhum lance tão provocador quanto este, o de uma mulher que se dá licença para matar.

Claire é a terceira atriz, depois da sueca Noomi Rapace e da americana Rooney Mara, a assumir a criação do escritor sueco Stieg Larsson (1954-2004), e é a melhor delas. Vítima de abusos tenebrosos que determinaram seu feitio antissocial, Lisbeth põe a inteligência, a aptidão tecnológica e os próprios traumas a serviço de uma missão — punir homens que maltratam mulheres. É uma personagem sombria, sempre. Com Noomi, tinha algo de estridente; com Rooney, um tanto de opaca. Com Claire, por contraste, adquire até um certo senso de humor, ainda que bastante enviesado.

A atriz inglesa também joga melhor em equipe, valorizando o trabalho de Stephen Merchant como o criador de um artefato de potencial apocalíptico, o de Sverrir Gudnason (de Borg vs. McEnroe) como o jornalista Mikael Blomkvist e o de Sylvia Hoeks como — melhor não dizer. Apesar de ter entre seus autores Steven Knight, o criador da série Peaky Blinders, o roteiro resulta em geral tão esquemático quanto o intento de propor uma versão feminina de Bond. Mas Claire, com seu talento fenomenal para exprimir a um só tempo grande força e mágoas em carne viva, alia-se ao dinâmico e inesperadamente sensível Alvarez para reapresentar Lisbeth como alguém que desperta, no espectador, o desejo de criar um vínculo com ela. Não há nada de que essa moça não seja capaz, mesmo.

Publicado em VEJA de 14 de novembro de 2018, edição nº 2608

Continua após a publicidade

 

Publicidade