Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Leifert corta política no BBB: ‘Sem essa de representatividade’

Nayara, que é negra, foi eliminada com 92,69% dos votos no paredão das minorias, que contou com a mestiça Gleici, do Acre, e o único gay da casa, Mahmoud

Quando a professora Helcimara deixou o Big Brother Brasil 18, no primeiro paredão desta edição do reality show, fez um comentário que deixou o apresentador Tiago Leifert constrangido. “Estou fora do exílio. Agora posso falar: ‘Fora Temer’.” No dia seguinte, VEJA entrou em contato com a Globo para saber se, neste ano, a produção do programa tem procurado deixar a política fora da pauta dos brothers. Não teve resposta. Na noite desta terça-feira, no entanto, Leifert deu novo indício de que o BBB18 não quer saber de assuntos políticos, sejam eles ligados a Brasília ou à política do dia a dia, à relação entre as pessoas, aqui representada pelo politicamente correto que o apresentador acertou com um pontapé.

“Esta casa, especificamente, está com uma outra ‘noia’. Vocês não são mais vocês mesmos. Agora vocês representam algo. ‘Ah, eu represento a comunidade X’. ‘Fulano representa a comunidade Y’. ‘Eu represento sei lá o quê’. Deixa eu falar a real. Ninguém aqui fora deu procuração para vocês representarem ninguém aí”, afirmou Leifert.

Em outro momento, ele classificou o paredão como uma disputa relacionada à habilidade de jogo, uma outra maneira de fugir ao fato de que estavam na berlinda três representantes de minorias: Gleice, uma estudante mestiça vinda do Acre, o sexólogo Mahmoud, único gay declarado da casa, e a jornalista negra Nayara, que acabou eliminada com 92,69% dos votos.

É fato que Nayara amealhou sua rejeição ao fazer o que foi considerado por muitos, dentro e fora do confinamento, como leva-e-traz. A paulista ouvia informações de um grupo e procurava confrontá-las com outro, no que chamou de “checagem” dos fatos e atribuiu à sua profissão, a de jornalista. Mas também é fato que Leifert fez de tudo para despolitizar o jogo. Ao ouvir essa justificava da paulista, por exemplo, fez o que beirou uma tentativa de despersonalização. “A gente não quer saber (da sua profissão), a gente quer saber de você”, disse. “Só sei ser assim”, respondeu ela.

Depois do erro de contagem na última Prova do Líder, pode-se arriscar dizer que esta é uma nova falha do BBB — ou, ao menos, de Leifert. Se acreditam na representatividade, se creem que é importante passar informações a limpo com pessoas diferentes, os participantes do Big Brother Brasil podem se tornar chatos e até entendiantes aos olhos de uns e outros, porém, mais do que nunca, parecem ser eles mesmos.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Pena que está na Rede Globo de manipulação. Ele é muito bom mesmo. Dava até para assistir os programas esportivos com ele. Mas, como é bom a Globo já o direciona para a futilidade. Que é a jóia de audiência.

    Curtir

  2. Geraldo Coelho

    Quanta hipocrisia e enganação, BBB tem cotas, para negros, gays, agora para refugiados, esquerdistas, direitistas, imparciais, feios, bonitos. BBB 2018 foi dominado pela politica, defensores de negros, gays, ou seja o VITIMISMO habitual, agora vem dizer que não interessa o posicionamento politico e causistico de cada um, porque colocou lá então. HIPOCRICIA ENGANAÇÃO MANIPULAÇÃO.

    Curtir

  3. Alberto de Araujo

    O BBB está contaminado com a situação política do país.Ferve em todos os segmentos.Esgotou-se a paciência com os políticos. Se pudesse colocariam no inferno de Dante.A lava jato fez faxina.Poucos, talvez algumas exceções, ficariam livre desse caldeirão.

    Curtir

  4. Social Democrata

    Programa lixo, militantes lixo.

    Curtir

  5. Mauro Guilherme

    Num faz na entrada,faz na saída.

    Curtir

  6. Carlos Alberto Pinheiro Paula

    Programa escroto assistido por pessoas escrotas. Lixo do lixo do lixo.

    Curtir

  7. Não gostei da participação de Nayara, mas vamos combinar? O Thiago é um péssimo apresentador de bbb. Volta Biaaal.

    Curtir