Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Laerte diz que é ‘flex’, mas que ‘fissura sexual’ diminuiu

Por Da Redação - 15 out 2013, 19h37

O cartunista Laerte, hoje o maior símbolo da discussão sobre gênero no país, fala de roupas, maquiagem, nome e depilação feminina — que ele faz — no Gabi Quase Proibida desta quarta-feira. No programa sobre sexualidade da jornalista Marília Gabriela, que vai ao ar às quartas no SBT, o desenhista conta que segue frequentando banheiros femininos, motivo de uma controvérsia que ele protagonizou no começo de 2012, mas que às vezes vai ao masculino, porque é “flex”.

Laerte aciona Secretaria da Justiça contra pizzaria que o barrou no banheiro feminino

Laerte também é “flex” na orientação sexual. Na entrevista, o cartunista conta que a sua primeira experiência sexual foi aos 17 anos, com um amigo, mas que “a pressa do momento” levou a “experiências dolorosas”. Ele disse também que se descobrir gay foi “muito assustador”, que no início da carreira como profissional do desenho já tinha “colocado a homossexualidade debaixo do tapete” e que hoje gosta de sair tanto com homens como com mulheres, embora seu “fogo” ande mais brando. “Estou aberto para ambos (homens e mulheres), mas minha fissura sexual está bem menor.” O que não o atrai, diz, é o casamento.

Polícia encontra HD externo de Laerte

Publicidade

Sobre as questões mais femininas, o cartunista contou estudar uma cirurgia de implante nos seios e fazer depilação “total” de virilha. “Uso sapatos de salto modesto, de doze centímetros para baixo”, disse ainda.

Publicidade