Clique e assine a partir de 9,90/mês

Karim Aïnouz e suas musas em ‘A Vida Invisível’: ‘Fui criado por mulheres’

Diretor e elenco contam em entrevista à VEJA expectativas e bastidores do representante brasileiro na busca por uma vaga no Oscar; confira o vídeo

Por Amanda Capuano - Atualizado em 23 nov 2019, 10h00 - Publicado em 23 nov 2019, 09h00

Ambientado no Rio de Janeiro durante a década de 1950, o longa A Vida Invisível –  que chegou aos cinemas na quinta-feira, 21 –  acompanha a vida de Eurídice (Carol Duarte) e Guida Gusmão (Júlia Stockler), duas irmãs com objetivos ambiciosos e distintos: a primeira sonha em estudar em Viena e ser uma pianista de sucesso, enquanto a segunda, anseia por viver uma grande história de amor. Apesar de personalidades opostas, as irmãs nutrem entre si uma relação cativante e valiosa –  até que uma escolha de Guida, e a interferência do pai, força um afastamento entre elas. Em uma segunda fase, a veterana Fernanda Monte Negro interpreta Eurídice.

Escolhido como o representante brasileiro na corrida por uma indicação ao Oscar de filme em língua estrangeira em 2020, o longa –  dirigido por Karim Aïnouz –  é uma adaptação do livro homônimo de Martha Batalha, que joga luz sobre mulheres comuns e os percalços que enfrentam ao longo da vida. A obra chegou a Aïnouz por meio do produtor Rodrigo Teixeira, que viu na narrativa uma essência parecida com as mulheres da vida do cineasta –  que foi criado pela mãe e avó.

Em entrevista à VEJA, Carol Duarte, Júlia Stockler, Gregório Duvivier, Maria Manoella e o diretor Karim Aïnouz falam sobre o filme e as expectativas em relação à corrida pela premiação de Hollywood. “É um bom momento para estar no Oscar, pois mostra que o Brasil é mais que exportador de soja e barbárie, é também exportador de bons longas-metragens”, diz Duvivier.

Confira:

Continua após a publicidade

Publicidade