Clique e assine a partir de 9,90/mês

Jorge Drexler faz plateia esquecer das cadeiras em teatro de São Paulo

Em show, cantor uruguaio apresentou antigos hits e canções do novo disco ‘Bailar em la Cueva’, o mais dançante de sua carreira

Por Raquel Carneiro - 27 Mar 2015, 09h33

Em um clima intimista acompanhado por um excelente jogo de iluminação, o cantor uruguaio Jorge Drexler cumpriu sua promessa durante o show em São Paulo, o primeiro da turnê que passa pelo Brasil, e fez a plateia levantar das cadeiras do teatro Bradesco para dançar ao ritmo da cúmbia. O estilo colombiano é uma das principais influências de Bailar em la Cueva, novo disco de Drexler, que entrou no palco com uma divertida coreografia, acompanhado pelo restante da banda.

A canção título do álbum, aliás, foi a eleita para abrir o show na capital paulista, seguida por Esfera, outra faixa do trabalho mais recente. Ainda tímidos e censurados pelas cadeiras do teatro, poucos presentes arriscaram sair de seus lugares para ensaiar alguns passos de dança nas laterais da casa. Drexler avisou que mais tarde levaria outros a se renderem aos movimentos corporais. Antes, porém, o show ganharia um contorno mais leve e romântico, causado especialmente pelo ótimo jogo de luzes, que tinha como base um globo de espelhos ao fundo do palco. A iluminação imitava o efeito do objeto, girando pequenos pontos brilhantes ao redor de todo o teatro, que mudavam de cor dependendo da canção.

O momento de calmaria começou com a romântica Transporte, do disco Eco. Os antigos sucessos dominaram a apresentação, que contou também com Las Transeúntes, Sea, Guitarra Y Vos e uma bela versão a capela de Al Otro Lado del Rio, música vencedora do Oscar de melhor canção original em 2005, pelo filme Diários de Motocicleta.

Leia também:

Continua após a publicidade

Jorge Drexler deve contracenar com Marieta Severo no cinema

Fã do Brasil, Jorge Drexler retorna com show dançante

Em boa parte da apresentação, Drexler foi acompanhado pela banda espanhola composta por bateria, percussão, percussão eletrônica, guitarra, baixo e um trio de instrumentos de sopro de metal, composto por trombone, saxofone e trompete. O cantor se manteve no violão, com o qual ele ficou sozinho no palco durante um período, para entoar canções lentas, entre elas Soledad, Maria Bonita e o cover de Como uma Onda no Mar, de Nelson Motta.

O grupo convidou os presentes a saírem de suas cadeiras durante a música Don de Fluir. A timidez da plateia foi vencida quando o próprio Drexler e alguns dos instrumentistas desceram do palco e tiraram moças das cadeiras para dançar de rosto colado. A deixa funcionou e os demais casais presentes preencheram os espaços vazios dos corredores.

Continua após a publicidade

Ao fim, todo o público foi convidado a levantar para ser embalado pelo ritmo inicial, com canções do novo disco, entre elas Data Data, Bolívia e Deseo, outra do álbum Eco. Em um bis duplo, o cantor retornou ao palco para entoar seu hit mais recente, Universos Paralelos, além de La Luna de Rasquí, Todo se Transforma e Me Haces Bien. O uruguaio agora parte para Porto Alegre, onde se apresenta nesta sexta, e, no domingo, finaliza a turnê mundial com o show de Curitiba.

Publicidade