Clique e assine a partir de 9,90/mês

J.J. Abrams é visto como o novo Steven Spielberg

Tratado como o principal talento de Hollywood para ficção científica, criador de 'Lost' segue os passos do diretor e mentor Steven Spielberg

Por Da Redação - 31 jan 2013, 19h54

O próximo diretor da franquia Guerra nas Estrelas, J.J. Abrams, é o homem do momento em Hollywood, principalmente no que diz respeito a produções de ficção científica.

Jeffrey Jacob, apelidado J.J., fez seu nome na indústria do entretenimento com séries de argumentos retorcidos até o impossível para depois empreender sua ascensão à grande tela. Criador das séries de TV Lost e Fringe, Abrams também tem seu nome entre produções cinematográficas de grande porte, como Armageddon, Jornada nas Estrelas e Missão Impossível 3: Protocolo Fantasma.

Com exceção da romântica Felicity, entre 1998 e 2013, Abrams encadeou thrillers televisivos, muitos deles sobrenaturais, que conquistaram audiências no mundo todo.

Uma coleção de títulos para viciados em suspense que lhe valeu no último fim de semana o prêmio honorífico Norman Lear, concedido anualmente pelo Sindicato de Produtores dos Estados Unidos.

Continua após a publicidade

“Produziu alguns dos programas mais icônicos da última década, séries que mudaram o panorama da televisão”, comentou o presidente do sindicato, Michael DeLuca.

Novo projeto – No entanto, a notícia que disparou em janeiro a fama de Abrams foi a incumbência de dirigir a próxima aventura de Guerra nas Estrelas, o sétimo episódio, o primeiro que será lançado desde que a Disney comprou de George Lucas sua companhia, a Lucasfilm, e com data de estreia prevista para 2015.

Abrams, fã confesso da saga, foi em princípio reticente em embarcar nesse projeto. “Prefiro estar entre o público não sabendo o que vai acontecer em vez de envolvido no processo de sua realização”, comentou Abrams em dezembro à revista Empire.

Não está claro o que aconteceu durante as últimas semanas para que mudasse de ideia, só que a presidente da Lucasfilm, a produtora Kathleen Kennedy, se empenhou em convencê-lo.

Continua após a publicidade

“J.J. é o diretor perfeito para liderar isto”, declarou Kennedy, sócia de Steven Spielberg e a escolhida por Lucas, amigo de Spielberg, para continuar seu negócio.

O mentor – J.J. Abrams conheceu Kathleen quando ela era assistente de Spielberg e o chamou para restaurar, na década de 1980, dois filmes que o famoso cineasta fez quando era jovem, Escape to Nowhere (1961) e Firelight (1964).

Abrams era um adolescente de 15 na época e pensou inicialmente que era uma piada, segundo disse à revista Time em 2011, mas terminou aceitando a tarefa. Spielberg prestou atenção nele após aparecer no jornal Los Angeles Times por seu sucesso em um festival de cinema em formato Super-8.

Desde então a sombra de Spielberg sobrevoa a carreira de Abrams, para quem passou a ser, além de seu “ídolo”, seu “mentor e confidente”, segundo revelou à publicação Jewish Journal em 2009.

Continua após a publicidade

Graças a essa sintonia entre ambos, Abrams reconhece que mostra seus projetos a Spielberg, cuja colaboração teve como máximo expoente o filme Super 8, escrito e dirigido por J.J. sob a supervisão e produção de Spielberg.

Jornada nas Estrelas – Lançado em 2009, o filme ganhará uma sequência prevista para estrear no Brasil em junho. A terceira parte já foi prometida, e Abrams se comprometeu pelo menos a ser um dos produtores. Esse filme ficou relegado agora a um segundo plano perante a aparição de Guerra nas Estrelas em seu horizonte.

Abrams se põe assim no comando de uma obra de George Lucas, assim como Spielberg, em 1981, com a saga de Indiana Jones.

Leia também

Continua após a publicidade

Disney planeja trilogia inédita de ‘Star Wars’

J.J. Abrams: O poderoso nerd

(Com agência EFE)

Publicidade