Imprensa do Irã critica escolha de ‘Argo’ como melhor filme

Filme sobre o resgate de seis funcionários da Embaixada dos Estados Unidos em Teerã em 1980 foi classificado como uma 'distorção da história'

Por Da Redação - 25 fev 2013, 11h44

O Oscar de melhor filme para Argo, de Ben Affleck, provocou uma grande polêmica no Irã, onde o filme sobre o resgate de seis funcionários da Embaixada dos Estados Unidos em Teerã em 1980 foi classificado como uma “distorção da história”. O fato de Michelle Obama, a primeira-dama dos EUA, ter sido a encarregada de abrir o envelope e anunciar Argo como ganhador, também foi visto como um sinal de “politização” dos prêmios.

LEIA TAMBÉM:

LEIA TAMBÉM: Argo leva prêmio principal em Oscar sem grande vencedor

Ang Lee surpreende e bate Steven Spielberg na direção

Publicidade

Oscar consagra Jennifer Lawrence e Daniel Day Lewis

A agência de notícias Mehr afirmou que, com este Oscar, “Hollywood sacrifica o cinema artístico e de qualidade para premiar as palavras políticas de ordem e a distorção da realidade”. Segundo a agência estudantil Isna, Hollywood “tenta colocar um filme vulgar no mesmo nível das melhores obras do cinema” com esta premiação.

O cineasta iraniano Behruz Afjami também criticou a premiação, afirmando que Argo foi produzido “com fins propagandísticos” e que o fato de ter ganhado o Oscar de melhor filme “é o maior golpe contra o prestígio da Academia de Hollywood”.

O longa, dirigido e protagonizado por Ben Affleck, é um drama político sobre o resgate de seis funcionários da Embaixada dos Estados Unidos em Teerã em 1980, durante crise em que diplomatas americanos foram mantidos reféns por um grupo de estudantes islâmicos, com apoio do regime.

Publicidade

(Com agência EFE)

Publicidade