Clique e assine a partir de 9,90/mês

IMPERDÍVEL: Steven Tyler abraça o country em 1º disco solo

Vocalista do Aerosmith muda de estilo, mas sem esquecer as raízes roqueiras

Por Raquel Carneiro - Atualizado em 17 jul 2016, 13h50 - Publicado em 16 jul 2016, 06h50

Depois de quatro décadas dedicadas ao rock, Steven Tyler, vocalista do Aerosmith, trocou a gritaria do metal pela cadência marcada do country em seu primeiro disco solo, We’re All Somebody From Somewhere. Para a mudança de estilo, o cantor de 68 anos se aliou a produtores da cidade de Nashville, berço da country music americana. O resultado é uma interessante mistura dos memoráveis vocais de Tyler com pitadas de pop e rock adicionados ao gênero proeminente, em diversas faixas dançantes a algumas apuradas baladas românticas.

O disco começa de maneira inusitada, com a leve My Own Worst Enemy, em que o cantor analisa seus erros e acertos, até chegar à conclusão de que ele, como diz o título, é seu pior inimigo. No último minuto da faixa, agressivos riffs de guitarra e uma forte bateria resgatam as raízes roqueiras de Tyler. Quase um rito de passagem do passado para o que o disco ainda tem por apresentar.

Leia também:
Steven Tyler anuncia fim do Aerosmith para 2017

Destacam-se no álbum a agitada faixa-título We’re All Somebody From Somewhere; as introspectivas It Ain’t Easy e Janie’s Got a Gun; as românticas Gypsy Girl e Somebody New; e a retrô The Good the Bad the Ugly & Me. Enquanto destoam da produção as composições Love Is Your Name, um country sem personalidade; I Make My Own Sunshine, que parece trilha de um comercial de operadora de celular; e Red White & You, canção com um bobo clima teen.

Com 15 faixas, das quais Tyler co-escreveu 12, o álbum mais acerta do que erra. É fácil ouvir o disco do começo ao fim e entender a frase dita pelo roqueiro no texto de divulgação do trabalho: “Country music is the new rock ’n’ roll”.

Continua após a publicidade

Publicidade