Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Helen Mirren e Donald Sutherland brilham em história de amor

Italiano Paolo Virzì estreia em língua inglesa com o road movie 'The Leisure Seeker', exibido no Festival de Toronto

Numa época em que tanto se fala de inclusão no cinema, ainda são poucos os filmes com pessoas com mais de 60 anos. The Leisure Seeker, primeiro longa do italiano Paolo Virzì (Loucas de Alegria, Capital Humano) em língua inglesa, é uma dessas raridades. Seus personagens são Ella (Helen Mirren) e John (Donald Sutherland), casados há décadas. Ele, ex-professor de literatura, sofre com o Alzheimer, enquanto sua mulher está com câncer.

Virzì aproveitou a ocasião para mergulhar num gênero tipicamente americano: o road movie. A primeira cena é ótima: Will (Christian McKay) chega à casa dos pais, que está vazia. Também vazia está a garagem que abriga o velho trailer que foi veículo de tantas viagens da família também formada por Jane (Janel Moloney). Desta vez, o plano inclui ir de Massachusetts até Florida Keys, onde fica a casa de Ernest Hemingway, que John sempre quis visitar. Claramente a viagem é também uma despedida em grande estilo, com uma aventura que, por vezes, cai um pouco no exagero. Claro que a espingarda escondida por Ella vai ser usada em dado momento – e ele não poderia ser mais óbvio.

A passagem por lugares visitados anteriormente serve também para tentar atiçar as memórias de John. Ella sente o peso de carregar o passado de ambos, além de não reconhecer o marido naquele homem a seu lado. O filme é bem-sucedido em mostrar o sofrimento e a frustração de quem lida com uma pessoa querida com Alzheimer ou doenças similares, sem deixar de lado, no entanto, os episódios em que rir é o único remédio. Ao mesmo tempo, nem tudo o que passou foi bom, e as dores também voltam. São esses os momentos que deixam Helen Mirren e Donald Sutherland brilhar.

The Leisure Seeker (algo como “o buscador de lazer”, que é o nome do trailer de John e Ella), no fundo, é a história de um grande amor, mas não de um romance perfeito. Verdade que escolhe uma estrada tradicional e meio batida, mas também emociona e faz rir.