Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Grupo LGBT americano quer boicotar filme de Harrison Ford

'Ender's Game - O Jogo do Exterminador' é baseado na obra de Orson Scott Card, um militante conhecido por se opor aos direitos dos homossexuais

Por Da Redação - 8 jul 2013, 19h48

Um grupo LGBT dos Estados Unidos está convocando um boicote ao novo filme do ator Harrisson Ford, Ender’s Game – O Jogo do Exterminador. O longa é baseado na obra homônima do escritor americano Orson Scott Card, conhecido por se opor aos direitos dos homossexuais, principalmente ao casamento gay.

O Geeks Out, como é conhecido o grupo, lançou campanha num site para as pessoas não assistirem ao filme de ficção científica e não contribuírem com a fortuna do autor. “Não comprem ingressos no cinema, não comprem o DVD, não assistam pelo sistema pay-per view. Ignorem todas as propagandas e brinquedos. Não importa o quanto você admira os livros dele, deixe seu dinheiro fora dos bolsos de Orson Scott Card,” escreveu a organização no site Skip Ender’s Game.

Leia também:

Na TV, Mara Maravilha chama gay de ‘aberração’

Publicidade

Daniela Mercury confirma namoro e critica Feliciano

Além disso, o grupo está pedindo assinaturas em petições online e organizando eventos em Nova York, Orlando, Seattle e outras grandes cidades americanas para o dia 1º de novembro, data de estreia do filme. “Ajudando o Skip Ender’s Game nós podemos mandar uma mensagem clara e séria a Card e àqueles que aderem ao ativismo antigay”, completou o Geeks Out no site.

História – O filme futurista conta a história de um garoto que é enviado a uma base militar espacial para proteger a raça humana de invasores alienígenas. Os produtores já se defenderam das acusações alegando que a política de Card não os representa. “Nós estamos adaptando um trabalho, não uma pessoa”, afirmou uma fonte ao site da revista americana The Hollywood Reporter.

Em 2009, o autor se juntou à Organização Nacional pelo Casamento (NOM), que se opõe ativamente contra a união de casais do mesmo sexo. Três anos depois, ele se referiu à união homossexual como uma “disfunção reprodutiva” em um artigo de opinião no jornal americano conservador Rhinoceros Times.

Publicidade