Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

‘Fizemos tudo o que podíamos’, diz médico de Lou Reed

O músico, morto aos 71 anos por uma doença no fígado, sabia que a medicina não poderia mais salvá-lo e deixou o hospital para morrer em casa

Por Da Redação - 28 out 2013, 09h27

O guitarrista, cantor e compositor Lou Reed, morto no domingo por causa de uma doença no fígado, sabia que estava no estágio final da enfermidade. “Concordamos que nós fizemos tudo o que podíamos”, afirmou o médico do músico, Charles Miller, da Cleveland Clinic, ao jornal The New York Times. De acordo com Miller, que realizou um transplante de fígado de Reed em abril, o ex-vocalista da banda Velvet Underground esteve na clínica na última semana, mas decidiu deixar o local quando descobriu que os médicos não conseguiriam mais reverter seu quadro de saúde.

O músico voltou para sua casa, em Amagansett, região de Long Island, em Nova York, onde faleceu no domingo. Reed estava sem usar álcool desde a década de 1980 e era um praticante regular da arte marcial Tai Chi. De acordo com o médico, ele estava fazendo exercícios de Tai Chi a menos de uma hora de sua morte.

O estado do cantor era grave mesmo depois da cirurgia que fez em abril. Dias após o procedimento, Laurie Anderson, mulher do músico, disse ao jornal inglês The Times que o marido estava morrendo. “Foi uma cirurgia séria, mas tudo ocorreu bem”, afirmou. Na ocasião, o músico enviou uma mensagem aos fãs por meio de seu site oficial. No texto, dizia se sentir “mais forte do que nunca”. “Mal posso esperar para estar nos palcos e compor novas canções para me conectar com os corações e espíritos”, escreveu. No final de junho, porém, ele foi internado às pressas com um quadro de desidratação.

Publicidade

Walk on The Wild Side (1972)

Em apresentação para a televisão nos anos 1980, Lou Reed canta ‘Walk on The Wild Side’, sucesso de seu álbum ‘Transformer’, de 1972.

Rock and Roll Heart: Lou Reed (American Masters)

Episódio da série de documentários ‘American Masters’, do canal de televisão público PBS. 

Publicidade

Street Hassle (1978)

Clipe de ‘Street Hassle’, de 1978, do álbum de mesmo nome.

Entrevista à TV australiana

Com respostas secas, Lou Reed conversa com jornalistas na Austrália.

Publicidade

Rock ‘n’ Roll (1974)

Apresentação de ‘Rock ‘n’ Roll’, música do disco ‘Rock n Roll Animal’, de 1974.

Sweet Jane (1970)

Ouça ‘Sweet Jane’, música do disco ‘Loaded’ (1970), da banda Velvet Underground. 

Publicidade

Show: Lollapalooza (2009)

Lou Reed e banda apresentam ‘Walk on The Wild Side’, um de seus maiores sucessos, no festival Lollapalooza, na cidade de Chicago, em 2009.

The View (2011)

A parceira entre Lou Reed e a banda de trash metal Metallica gerou o CD ‘Lulu’, de 2011. Aqui, o clipe de ‘The View’, música de trabalho do álbum, dirigido por Darren Aronofsky, diretor de ‘Cisne Negro’. Foi um dos últimos trabalhos de Reed em estúdio.

Publicidade

Andy Warhol e Velvet Underground

Trecho do documentário ‘American Masters’ (do canal americano PBS) mostra como começou a colaboração multimidiática entre o artista plástico Andy Warhol e a banda Velvet Underground, à qual Lou Reed pertencia.

Tranquilize (2007)

Em 2007, Lou Reed gravou um dueto com Brandon Flowers, do The Killers. ‘Tranquilize’ faz parte do álbum ‘Sawdust’ da banda.

Trajetória – Com mais de vinte discos no currículo, Lou Reed era admirado como um dos melhores poetas da música americana, além de crítico mordaz da sociedade de seu país. Reed nunca vendeu muitos discos, mas seu trabalho repercutiu mesmo entre aqueles que não costumam ouvir CDs de guitarristas. Ele ocupa essa posição desde os anos 60, quando liderava o grupo Velvet Underground.

Publicidade

Enquanto os jovens da geração hippie cantavam a paz e o amor, as letras do Velvet falavam de drogas pesadas, aberrações sexuais e violência urbana. O próprio Reed lutou durante anos contra o vício da heroína, num tempo em que a maior transgressão da juventude, no terreno das drogas, era maconha e bolinhas (derivada da anfetamina). O Velvet lançou seis discos que não venderam quase nada, mas influenciaram todo o rock dos anos 70.

Depois do fim do grupo, Reed afastou-se da música. Voltou em 1972, conduzido pela mão de David Bowie, que produziu para ele o LP Transformer, considerado um dos melhores discos pop daquela década. Nele, Reed já estabelecia os fundamentos de sua carreira solo e de sua poesia. Suas canções eram frequentemente lúgubres, povoadas por personagens marginalizados da sociedade. Reed gravou em 2007 seu último álbum solo, Hudson River Wind Meditations, de música ambiental. Seu último trabalho foi Lulu, de 2011, em parceria com a banda Metallica.

Publicidade