Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Final de ‘Avenida Brasil’ é notícia até fora do Brasil

Imprensa internacional destaca fenômeno pop que fez presidente adiar comício

O fenômeno Avenida Brasil, que termina nesta sexta-feira após contagiar o país por sete meses, chegou à imprensa internacional. A gigantesca popularidade de Carminha (Adriana Esteves), Nina (Débora Falabella) e Tufão (Murilo Benício) chamou a atenção do jornal britânico The Guardian e da rede BBC depois que a novela fez a campanha de Fernando Haddad (PT) adiar um comício com a presidente Dilma Rousseff para evitar a concorrência com o final da trama.

Leia também:

‘Avenida Brasil’: Carminha tem vida de Tufão e Nina na mão

“Dilma pode ser uma das presidentes mais populares que o Brasil já teve, mas até ela sabe que é melhor não desafiar o poder do fenômemo do horário nobre na TV conhecido como Avenida Brasil”, diz o texto do Guardian, que destaca a influência da novela entre a “nova classe média” e cita uma reportagem do site de VEJA sobre como a Rede Globo decidiu abordar a chamada classe C em sua teledramaturgia. Além disso, o jornal britânico referenda a trama como uma das grandes responsáveis pela revitalização do gênero – há pouco tempo visto como esgotado – por meio de uma “cinematografia tipo-HBO” e uma nova geração de autores, como João Emanuel Carneiro.

Com o título “Novela inovadora captura o Brasil”, a reportagem da BBC, além de ressaltar a presença e a influência da “nova classe média” no programa, busca resumir o enredo que se desenrola há 178 capítulos: “Avenida Brasil emprega os usuais altos níveis de melodrama, combinados com uma intricada história de uma garotinha que retorna já adulta para vingar a morte do pai. Os telespectadores foram capturados pela batalha entre Rita e a já lendária vilã Carminha, a madrasta malvada que a abandonou em um lixão quando criança”.

Leia mais:

Justiça proíbe ‘Avenida Brasil’ em comício do PT na Bahia

Parece pouco para o folhetim? Sim, e a rede britânica concorda ao partir para uma descrição mais detalhada da geografia da novela – o suburbano bairro fictício do Divino – e a sociologia dos personagens – “gente humilde”, que mantém as raízes mesmo caso enriqueça.

Com a expectativa de quebrar seu próprio recorde de 49 pontos de audiência nesta sexta-feira, durante o último capítulo, Avenida Brasil atrai atenção tão grande que até na imprensa do outro lado do Atlântico a pergunta ecoa: “Who killed Max?” (Quem matou Max?).