Clique e assine a partir de 9,90/mês

Filha de Kurt Cobain diz que prefere Oasis ao Nirvana

Francis Cobain descreveu o documentário sobre seu pai como 'jornalismo emocional'

Por Da Redação - Atualizado em 30 jul 2020, 21h36 - Publicado em 9 abr 2015, 11h04

Frances Bean Cobain, filha de Kurt Cobain e Courtney Love, prefere ouvir Oasis a Nirvana. “Eu não gosto muito de Nirvana. Desculpa, Universal Studios. Eu sou mais Mercury Rev, Oasis, Brian Jonestown Massacre. A cena grunge não me interessa muito”, disse em entrevista à revista americana Rolling Stone. A declaração vem logo antes do lançamento do documentário sobre Cobain, ex-vocalista da banda Nirvana, expoente musical do início dos anos 1990, que entra em cartaz nesta sexta-feira na Inglaterra. Em maio, o longa estreia na HBO americana.

LEIA TAMBÉM:

Membros do Nirvana se reúnem em tributo à banda

Paul McCartney fará show com membros do Nirvana

Continua após a publicidade

Nirvana: 20 anos de Nevermind

Dirigido por Brett Morgen (O Show Não Pode Parar), Kurt Cobain: Montage of Heck é um documentário autorizado pela família que mostra a vida de Kurt Cobain desde sua juventude em Aberdeen, Estados Unidos, passando pela formação do Nirvana, sua convivência com Courtney e Frances, o desejo de ter atenção e odiar a fama obtida pelo sucesso da banda, até chegar ao seu suicídio.

No filme, o diretor usou de diferentes maneiras para contar a história de Kurt. Ele teve à sua disposição cadernos, filmes caseiros e fitas cassetes que eram guardados por Courtney e por Frances, 22, que assumiu a produção executiva do documentário. Em entrevista ao jornal britânico The Guardian, Morgen falou da importância do material cedido por Frances, citando uma declaração inédita de Kurt Cobain sobre a sua tentativa de perder a virgindade com uma garota com necessidades especiais. O caso o deixou enojado de si mesmo e lhe rendeu o apelido de “comedor de retardados” na escola. Na fita, Cobain diz que tentou se matar depois disso.

À Rolling Stone, Frances descreveu o documentário como “jornalismo emocional”, pois, segundo ela, “é o mais próximo de ter o próprio Kurt falando sobre sua vida e seu passado, de acordo com a percepção dele de mundo”. Sobre os encontros que teve com Brett para definir como o filme seria feito, Frances disse: “Quando Brett e eu nos encontramos pela primeira vez, eu disse que não queria a mitologia ou o romantismo da vida de Kurt”. O documentário ainda não tem estratégia de lançamento divulgada no Brasil.

Continua após a publicidade

https://youtube.com/watch?v=cw5nZeptzEU

Publicidade