Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Festival de Veneza terá filmes independentes e curtos

Redução no tamanho das películas ainda é reflexo da crise financeira internacional

Foram anunciados nesta quinta, em Roma, os 23 filmes que disputam, em setembro, o Leão de Ouro do Festival Internacional de Cinema de Veneza. Entre os destaques da 67ª edição do evento, estão as premières mundiais dos filmes de Sofia Coppola e Darren Aronofsky, além da aguardada adaptação do romance cult A Versão de Barney e do título-surpresa que ainda não foi anunciado. Outro destaque é o nome à frente do júri: o cineasta americano Quentin Tarantino.

Aronofsky, que recebeu o Leão de Ouro em 2008 por O Lutador, vai abrir o festival com Black Swan, thriller psicológico que envolve o mundo do balé e é estrelado por Natalie Portman, Vincent Cassel e Winona Ryder. Sofia Coppola, filha de Francis Ford Coppola e ganhadora de um Oscar de melhor roteiro original por Encontros e Desencontros, vai retornar ao Lido com Somewhere, a história de um ator e de sua filha, de quem está distanciado.

O cinema independente e diretores jovens – a média de idade dos cineastas na competição é de 47 anos – dominam a competição principal, que é menor que a do ano passado e inclui cinco filmes americanos. Outra característica da mostra de filmes deste ano é a curta duração. Para os organizadores, a redução no tamanho das películas reflete o ambiente mais contido que reina no setor do cinema desde a crise financeira internacional.

Com orçamento de 12 milhões de euros (16 milhões de dólares), o festival, que frequentemente funciona como plataforma de lançamento para os Oscar, vai acontecer entre 1 e 11 de setembro.

Confira, abaixo, os filmes selecionados:

Black Swan, de Darren Aronofski (EUA)

La Pecora Nera, de Ascanio Celestino (Itália)

Somewhere, de Sopia Coppola (EUA)

Happy Few, de Antony Cordier (França)

La Solitudine dei Numeri Primi, de Saverio Costanzo (Itália)

Silent Souls, de Aleksei Fedorchenko (Rússia)

Promises Written in Water, de Vincent Gallo (EUA)

Route to Nowhere, de Monte Hellman (EUA)

Balada Triste de Trompeta, de Álex de la Iglesia (Espanha)

Venus Noire, de Abdellatif Kechiche (França)

Post Morten, de Pablo Larraín (Chile)

Barney’s Version, de Richard J. Lewis (Canadá)

Noi Credevamo, de Mario Martone (Itália)

La Passione, de Carlo Mazzacuratti (Itália)

13 Assassins, de Takashi Miike (Japão)

Potiche, de François Ozon (França)

Meek’s Cutoff, de Kelly Reichardt (EUA)

Miral, de Julian Schnabel (EUA)

Norvegian Wood, de Ahn Hung Tran (Japão)

Attenberg, de Attina Rachel Tsangari (Grécia)

Detective Dee and the Mistery of the Phanton Flame, de Hark Tsui (China)

Drei, de Tom Tykwer (Alemanha)