Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Festival de Neve de Sapporo lembra tragédia de 11 de março no Japão

Tóquio, 6 fev (EFE).- O tradicional Festival de Neve de Sapporo começou nesta segunda-feira na cidade japonesa com a exibição de cerca de 230 esculturas, algumas dedicadas às localidades mais afetadas pela tragédia de 11 de março, informou a Agência ‘Kyodo’.

Entre as obras de neve que decoraram a capital da ilha de Hokkaido, no norte do país, destaque para a reprodução com 15 metros de altura de um castelo medieval da província de Fukushima, atingida pelo acidente na usina nuclear Daiichi. A obra foi uma das que mais chamaram a atenção dos visitantes.

A figura representa o castelo de Tsuruga-jo, construído no século14 na cidade de Aizuwakamatsu (a 100 quilômetros ao oeste da central), e foi esculpida por membros das Forças do Exército japonês que participaram dos trabalhos de ajuda no nordeste do país após a tragédia de março.

Outra obra dedicada às zonas atingidas pelo terremoto, o tsunami e a crise nuclear reproduz o ‘pinheiro milagroso’, uma árvore que sobreviveu em uma região completamente devastada pela maré em 11 de março na cidade de Rikuzentakata, na província de Iwate.

A escultura de neve de Homare Sawa, capitã da seleção feminina de futebol japonês, a campeã do mundo em 2011, estava entre as mais fotografadas pelos visitantes, que devem atingir os 2 milhões neste ano, conforme previsão da organização do festival.

A ala de competição do evento neste ano inclui 16 equipes vindas de países como o Chile, Nova Zelândia, Tailândia, Malásia e Estados Unidos, que enviaram um grupo de escultores do Havaí.

As equipes, cada uma composta por três pessoas, têm até quarta-feira para fazer uma escultura com neve, a qual será avaliada por um júri que divulgará os vencedores na quinta-feira.

A 63º edição do Festival de Neve de Sapporo, famoso pela complexidade e magnitude de suas esculturas, que utilizam a cada ano milhares de toneladas de neve, vai até o dia 12 de fevereiro em diversos pontos dessa cidade japonesa. EFE