Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Fenômeno, documentário do N.W.A. domina bilheteria americana pela 3ª semana

Longa sobre a banda de rap N.W.A., que chega ao país dia 29 de outubro, bate o estreante 'War Room' e segue no topo

Maior surpresa da temporada, o documentário sobre o extinto grupo de rap N.W.A., que tinha entre seus integrantes Dr. Dre e Ice Cube, segue reinando na bilheteria americana, onde alcançou a liderança neste fim de semana, pela terceira vez seguida. Straight Outta Compton faturou 13,2 milhões de dólares e deixou para trás o estreante War Room (ainda sem título em português e previsão de estreia no Brasil). O filme sobre o N.W.A., que já acumula arrecadação de 140 milhões de dólares (134 milhões só nos Estados Unidos), teve sua estreia no Brasil confirmada na última semana: ele chega aqui no dia 29 de outubro.

LEIA TAMBÉM:

Mulheres acusam filme de omitir agressões de Dr. Dre

Novo CD de Dr. Dre dispara nas paradas britânicas

O longa se tornou um fenômeno nos EUA, onde estreou na liderança, arrecadando mais de 60 milhões de dólares no primeiro final de semana em cartaz. O filme conta a história da formação do N.W.A, sigla para Niggaz wit Attitudes, um dos mais famosos grupos de rap da história, formado em Compton, na Califórnia, em 1986, início da explosão do hip-hop, gênero que hoje domina a indústria musical americana. Segundo o site americano TMZ, o êxito do longa tem levado o estúdio Universal a estudar uma sequência para o filme. A segunda parte falaria de outros grandes nomes do gênero na costa oeste dos EUA.

Dirigido por F. Gary Gray (Uma Saída de Mestre), o drama mostra a ascensão do grupo, formado por Dr. Dre, Ice Cube, Eazy-E, DJ Yella e Mc Ren. A banda fez sucesso com letras que abordavam temas como o tráfico, a violência dos bairros pobres e a discriminação racial. A trama caiu no gosto dos americanos e surpreendeu com seus resultados em bilheteria.

A visibilidade obtida fez com que outas histórias envolvendo o filme figurassem mais no noticiário. A rapper Michel’le, ex-namorada de Dr.Dre e uma jornalista, Dee Barnes acusaram a produção de omitir as agressões que elas sofreram do cantor, que acabou por pedir desculpas em entrevista.