Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Família, amigos e fãs se despedem de Jair Rodrigues

Cerca de 300 admiradores do cantor estiveram no Cemitério Gethsemani, no bairro do Morumbi, onde houve tumulto antes do sepultamento

O cantor Jair Rodrigues, morto na manhã de quinta-feira vítima de um infarto agudo no miocárdio, foi enterrado nesta sexta no Cemitério Gethsemani, no bairro do Morumbi, zona sul de São Paulo. O corpo do cantor chegou ao cemitério às 9h15, depois de deixar o saguão da Assembleia Legislativa do Estado, onde estava sendo velado desde as 19 horas do dia anterior.

Ele foi transportado em um carro do Corpo de Bombeiros. O filho do artista, Jair Oliveira, acompanhou o transporte até o cemitério. A chegada do caixão com o corpo de Jair Rodrigues foi saudada com aplausos por cerca de 300 fãs que se aglomeravam no cemitério. Em seguida, parentes e amigos, como o cantor Roberto Leal, se reuniram na capela do cemitério para uma missa, aberta apenas aos mais próximos.

Leia mais:

Amigos e personalidades lamentam morte de Jair Rodrigues

Jair Oliveira, sobre o pai: tinha a “alegria de um anjo”

Com o aval da família de Jair, o padre que realizou a cerimônia tentou organizar depois uma fila para que os fãs pudessem ver o corpo pela última vez. Mas a euforia e impaciência do público resultou em tumulto, prejudicando o acesso à capela. Todos pareciam querer entrar ao mesmo tempo. Foram mais de dez minutos para conseguir acalmar os ânimos e liberar o acesso ao local.

Entre os amigos, compareceram ao enterro Sérgio Reis, Roberto Leal, Simoninha e Marisa Orth. “É um amor louco, que dá em todo mundo. Ele era melhor que todos e parecia imortal”, disse a atriz.

O apresentador Raul Gil, amigo de longa data, também foi ao sepultamento e lamentou a morte: “Fizemos músicas juntos, mas que nunca deram certo e nunca foram gravadas”, disse. Nunca vi ele reclamando de nada. Era um cara que estava cheio de saúde e de repente vai embora. Deus levou ele para deixar o céu mais feliz, alegre e divertido. Jesus deve estar dançando.”

O corpo de Jair Rodrigues permaneceu na capela do cemitério até as 12 horas para a despedida dos fãs e depois foi levado ao túmulo para o sepultamento.

(Com Estadão Conteúdo)

‘Deixa Isso pra Lá’

Jair Rodrigues ficou famoso com a música Deixa Isso pra Lá na década de 1960. Composição de Alberto Paz e Edson Menezes, música foi considerada precursora do rap brasileiro por causa do refrão falado

‘Disparada’

Composta por Geraldo Vandré e Théo de Barros, a canção foi interpretada por Jair Rodrigues no II Festival de Música Popular Brasileira da TV Record, em 1966. O cantor conquistou o primeiro lugar, mas o dividiu com A Banda, de Chico Buarque, interpretada por Nara Leão

‘Tristeza’

A música Tristeza, composta por Niltinho e Haroldo Lobo, foi marcante na carreira de Jair Rodrigues e se tornou destaque no carnaval de 1966 

‘O Morro Não Tem Vez’

A parceria de Jair Rodrigues com Elis Regina rendeu três discos e um programa de televisão, além de uma carreira internacional. No vídeo, a dupla canta O Morro Não Tem Vez no Cassino Estoril, em Portugal

‘A Majestade, o Sabiá’

Interpretada por diversos cantores, A Majestade, o Sabiá, de Roberta Miranda, ganhou o tempero e a alegria de Jair Rodrigues nesta versão ao lado da dupla Chitãozinho e Xororó

No Rancho Fundo

Em uma de suas últimas apresentações, no início de abril de 2014, Jair Rodrigues subiu ao palco com os filhos Jair Oliveira e Luciana Mello para entoar a canção sertaneja No Rancho Fundo